Miraflores Palace/Handout via REUTERS
Miraflores Palace/Handout via REUTERS

Cantores de 'Despacito' criticam Maduro por 'propaganda' com versão do hit

Os porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee usaram suas contas nas redes sociais para reprovar a versão de sua canção apresentada pelo líder bolivariano para promover a Assembleia Constituinte; coautora da música se disse 'indignada' por uso político

O Estado de S.Paulo

24 Julho 2017 | 15h06
Atualizado 25 Julho 2017 | 11h16

MIAMI - Os cantores porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee criticaram na segunda-feira o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, por ter usado o sucesso "Despacito" para fazer "propaganda" da eleição da Assembleia Constituinte.

"Minha música é para todos aqueles que queiram escutá-la e apreciá-la, não para usar como propaganda que tenta manipular a vontade de um povo que está pedindo a gritos sua liberdade e um futuro melhor", afirmou Fonsi em uma mensagem publicada em sua conta no Instagram.

Antes, a panamenha Erika Ender, coautora da música, rejeitou o uso do hit pelo governo venezuelano, algo que a "indigna", assim como Daddy Yankee, que faz dueto com Fonsi.

Fonsi disse que não foi consultado sobre o uso da canção e afirmou que deve "haver um limite" nas versões feitas da música, que bateu o recorde de maior número de reproduções em "streaming" da história.

O cantor lamentou que a letra de "Despacito" tenha sido modificada com "fins políticos", especialmente neste caso, quando a Venezuela está envolvida em uma "deplorável situação".

Em uma mensagem também em sua conta no Instagram, Daddy Yankee disse que Maduro tinha se apropriado "ilegalmente" da música em uma "piada" com o povo venezuelano. "Com esse nefasto plano de mercado, você só continuará colocando em evidência seu ideal fascista, que matou centenas de heróis e (causou) mais de 2 mil feridos", afirma o cantor porto-riquenho.

Por sua vez, Erika disse que a Venezuela é um país que lhe deu "verdadeiros irmãos de coração" e que está cheio de "gente guerreira, gente com vontade de ferro, gente boa, que não deixa de lutar pela liberdade de direitos e de expressão".

Os meios de comunicação divulgaram imagens do último programa dominical do presidente venezuelano, no qual foi apresentada a versão da música para o processo constituinte impulsionado pelo governo em meio a uma crise generalizada e protestos nas ruas que deixaram mais de 100 mortos desde abril.

No próximo 30 de julho, os venezuelanos estão convocados às urnas para escolher os mais de 500 membros de uma Assembleia Nacional Constituinte que redigirão uma nova Constituição e terão poderes para reordenar o Estado sem que ninguém possa se opor.

A oposição venezuelana, que se negou a participar na consulta, promove nesta mesma semana uma série de atividades para tentar barrar os planos de Maduro. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.