GABRIELA BILO / ESTADAO
GABRIELA BILO / ESTADAO

Ernesto Araújo minimiza invasão ao Capitólio e diz que manifestantes são 'cidadãos de bem'

Ministro das Relações Exteriores levantou dúvidas sobre a participação de 'elementos infiltrados' no protesto

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2021 | 17h09

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, minimizou a invasão ao Congresso norte-americano em Washington por manifestantes favoráveis ao presidente Donald Trump, derrotado nas eleições do ano passado. Em uma série de posts publicados em sua conta no Twitter, o ministro em nenhum momento responsabilizou o aliado Trump, que incitou os violentos protestos que resultaram na morte de quatro pessoas.

Araújo defendeu os militantes, a quem chamou de "cidadãos de bem", que, na avaliação dele, têm direito de questionar o processo eleitoral, e levantou dúvidas sobre a participação de "elementos infiltrados" no protesto.

"Há que lamentar e condenar a invasão da sede do Congresso ocorrida nos EUA ontem. Há que investigar se houve participação de elementos infiltrados na invasão. Há que deplorar e investigar a morte de quatro pessoas incluindo uma manifestante atingida por um tiro dentro do Congresso", disse.

"Há que parar de chamar 'fascistas' a cidadãos de bem quando se manifestam contra elementos do sistema político ou integrantes das instituições. Deslegitimar o povo na rua e nas redes só serve para manter estruturas de poder não democráticas e seus circuitos de interesse."

Araújo deu respaldo às desconfianças dos manifestantes a respeito da segurança do processo eleitoral. Sem apresentar provas, Trump disse que houve fraude nas eleições dos EUA, realizadas com cédulas impressas de forma presencial e também pelo correio. É o mesmo argumento citado pelo presidente Jair Bolsonaro, que, também sem provas, questiona as urnas eletrônicas no Brasil.

"Há que reconhecer que grande parte do povo americano se sente agredida e traída por sua classe política e desconfia do processo eleitoral. Há que distinguir 'processo eleitoral' e 'democracia'. Duvidar da idoneidade de um processo eleitoral NÃO significa rejeitar a democracia", disse.

A todo momento, o ministro evitou condenar com veemência o ato. "Nada justifica uma invasão como a ocorrida ontem. Mas ao mesmo tempo nada justifica, numa democracia, o desrespeito ao povo por parte das instituições ou daqueles que as controlam", disse.

"O direito do povo de exigir o bom funcionamento de suas instituições é sagrado. Que os fatos de ontem em Washington não sirvam de pretexto, nos EUA ou em qualquer país, para colocar qualquer instituição acima do escrutínio popular", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.