Erro de mira causou ataque à escola da ONU, diz Israel

Resultado da investigação foi divulgado por autoridades que não se identificaram; mais de 30 morreram

Associated Press, Agência Estado

11 de janeiro de 2009 | 15h28

Autoridades da defesa israelense afirmaram neste domingo, 11, que uma investigação militar concluiu que um erro de mira foi o culpado pelo ataque a uma escola da Organização das Nações Unidas (ONU) na Faixa de Gaza, na semana passada. Fontes médicas de Gaza afirmaram que 39 pessoas morreram no ataque. Israel afirmou que suas forças estavam devolvendo tiros em direção a militantes do Hamas que operavam perto da escola.   A investigação israelense mostra que as tropas lançaram três bombas sobre militantes do Hamas, que haviam acabado de lançar um foguete. Duas das bombas atingiram seus alvos, mas uma errou a mira por cerca de 30 metros, provocando as mortes de civis. O exército israelense acredita que o número de vítimas no episódio foi aumentado pelo Hamas.   Veja também: Ataques a escolas matam 33 em Gaza Não havia militantes na escola, diz ONU Troca de tiros e ataques na Faixa de Gaza mata pelo menos 26 Ofensiva deve continuar até atingir objetivo, diz Olmert Israel e Hamas prometem seguir com a luta na Faixa de Gaza Embaixador brasileiro no Egito fala da negociação entre Hamas e Egito  Correspondente do 'Estado' fala sobre o conflito  Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques   As autoridades da defesa falaram em condição de anonimato, porque a investigação ainda não se tornou pública.

Tudo o que sabemos sobre:
Israelescola da ONUFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.