Erro dos EUA pode ter matado britânica no Afeganistão

Militares americanos reconheceram que podem ter matado acidentalmente uma britânica sequestrada pelo Taleban no Afeganistão. A afirmação foi feita ontem pelo premiê da Grã-Bretanha, David Cameron, depois de conversar com o comandante das forças dos EUA no território afegão, general David Petraeus.

AE, Agência Estado

12 de outubro de 2010 | 09h00

A morte ocorreu durante tentativa de resgate na última sexta-feira. Inicialmente, os integrantes do Taleban haviam sido acusados de matar Linda Norgrove, que trabalhava para uma agência humanitária americana. Além dela, seis membros da milícia afegã morreram na operação comandada pelos EUA.

"O general Petraeus me disse que evidências e entrevistas com as equipes indicam que Linda talvez tenha morrido na explosão de uma granada detonada pelas forças de resgate durante a operação. Mas não há certeza e ordenamos uma investigação em conjunto", disse Cameron.

O comando militar americano no Afeganistão confirmou a informação do premiê britânico. Porém o general Petraeus preferiu que Cameron desse a declaração. O premiê acrescentou que "as forças americanas e Petraeus fizeram de tudo para resgatar Linda". A operação recebeu autorização de Cameron, que assumiu a culpa pelo incidente.

Linda, de 36 anos, foi sequestrada dia 26 de setembro pelo Taleban quando visitava um projeto de sua agência na Província de Kunar, próximo da fronteira do Afeganistão com o Paquistão. A área está sob controle do grupo afegão e de seu braço paquistanês. No ano passado, uma operação para resgatar um repórter do New York Times resultou na morte de seu produtor afegão e de um soldado britânico. No domingo, o presidente afegão, Hamid Karzai, admitiu manter negociações com o Taleban. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUAbritânicaresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.