Erupção de vulcão japonês deixa pelo menos 36 mortos

Mais cinco corpos foram encontrados nesta segunda-feira nas proximidades do cume do vulcão do monte Ontake, elevando o total de mortos para 36, informou a polícia. Os gases tóxicos e cinzas da montanha, ainda em erupção, obrigaram as equipes de resgate a interromper os trabalhos de recuperação das vítimas.

Estadão Conteúdo

29 de setembro de 2014 | 12h41

Oito corpos foram retirados de monte Ontake antes da suspensão dos trabalhos, por volta da 13h30 (horário local), disse Naofumi Miyairi, porta-voz da polícia da cidade de Nagano.

Junto com quatro vítimas retiradas do local no domingo, 12 corpos já foram recuperados, deixando 24 perto do cume. Não estava claro como essas pessoas morreram, embora especialistas digam que pode ter sido por sufocação por causa das cinzas, queda de pedras, gases tóxicos ou a combinação de alguns desses fatores. Alguns corpos apresentam contusões graves.

A polícia disse que as últimas vítima foram encontradas perto de um santuário, no cume, a mesma área onde outras vítimas foram descobertas.

A rede de televisão japonesa TBS mostrou soldados carregando sacos amarelos com corpos para um helicóptero militar.

Os corpos foram levados para uma pequena escola de ensino fundamental na cidade de Kiso, que fica nas proximidades, e serão examinados no ginásio da instituição.

Familiares dos desaparecidos esperavam na Câmara Municipal, que fica perto da escola.

Mais de 200 soldados e bombeiros, dentre eles unidades com equipamentos para detecção de gás, participam das buscas perto do cume, disse Katsunori Morimoto, funcionário da vila de Otaki.

Os trabalhos foram interrompidos por causa do aumento do nível de gases tóxicos e de cinzas, pois o vulcão continua a expelir fumaça, disse ele.

A erupção de sábado no monte Ontake foi a primeira a deixar mortos nos tempos modernos. A montanha de 3.067 metros de altura, localizada a 210 quilômetros de Tóquio, é um popular destino de escalada. Em 1979 houve uma erupção no local, mas ninguém morreu.

O vulcão entrou em erupção pouco antes do meio-dia, talvez na pior hora possível, já que pelo menos 250 pessoas aproveitaram o bonito sábado de outono para fazer uma caminhada. Foram expelidas grandes nuvens brancas de gás e cinzas que atingiram grandes altitudes, bloquearam o sol do meio-dia e cobriram as áreas próximas.

Centenas de pessoas ficaram presas as encostas, mas na noite de sábado a maior parte já havia chegado ao sopé da montanha. Cerca de 40 pessoas que permaneceram na montanha desceram no domingo. Muitas estavam feridas e algumas tiveram de ser resgatadas por helicópteros ou foram carregadas em macas.

A Agência de Gestão de Incêndios e Desastres do Japão disse que 59 pessoas ficaram feridas, das quais 27 com gravidade. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
JAPÃOVULCÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.