Antara Foto/Hermawan/via Reuters
Antara Foto/Hermawan/via Reuters

Erupção de vulcão Semeru deixa 13 mortos e dezenas de feridos na Indonésia

A nuvem quente atingiu as aldeias no distrito de Lumajang, em Java Oriental, e muitos moradores fugiram a pé

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2021 | 16h55

JACARTA - O vulcão Semeru da Indonésia, situado no leste da Ilha de Java, entrou em erupção neste sábado, 4, deixando treze mortos e dezenas de feridos. 

A nuvem quente atingiu as aldeias no distrito de Lumajang, em Java Oriental. Muitos moradores fugiram a pé. Vídeos compartilhados por autoridades e moradores mostraram pessoas gritando, correndo e registrando danos em suas casas e na infraestrutura local. 

Algumas aldeias foram cobertas com cinzas - com duas áreas "gravemente afetadas", disseram as autoridades de gestão de desastres em uma transmissão ao vivo pela televisão, informou a CNN. 

A erupção ocorreu durante uma tempestade, fazendo com que a chuva empurrasse lava e detritos quentes. A lama engolfou uma ponte conectando duas aldeias principais, Pronojiwo e Candipuro, informou a Associated Press. 

"Colunas espessas de cinzas deixaram várias aldeias na escuridão", disse Thoriqul Haq, chefe do distrito de Lumajang, à TV One. Ele disse que centenas tiveram de se mudar para abrigos temporários. 

A Agência Nacional de Gerenciamento de Desastres tuitou que imediatamente enviou equipes ao local para avaliação de dados e retirada de moradores. 

A Indonésia fica no Cinturão de Fogo, o trecho de 40 mil quilômetros ao longo do Pacífico que traça os limites entre as diferentes placas tectônicas e tem uma abundância de vulcões e terremotos. O Monte Semeru entrou em erupção pela última vez em janeiro, sem registro de vítimas.

No fim de 2018, a erupção de um vulcão no estreito entre as ilhas de Java e Sumatra causou um terremoto subaquático seguido de um tsunami que deixou mais de 400 mortos./WP e AFP 

Tudo o que sabemos sobre:
Indonésia [Ásia]vulcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.