Escândalo de corrupção atinge a cúpula da União Européia

O presidente da Comissão Européia, braço executivo da União Européia, prometeu nesta quinta-feira erradicar as fraudes, em meio a acusações de que autoridades da UE desviaram US$ 6 milhões para contas secretas e gastaram o dinheiro em viagens, jantares suntuosos e um estábulo. Falando perante um comitê especial do Parlamento Europeu, o presidente Romano Prodi isentou-se das irregularidades, dizendo que ocorreram antes que tivesse assumido o cargo, em 1999. Ele foi convocado pela comissão de controle orçamentário do Parlamento e por líderes de todos os partidos políticos para explicar como US$ 6 milhões da Eurostat - agência que coleta e tabula estatísticas para o bloco de nações - desapareceram. A maior parte do dinheiro parece ter sido desviada entre 1996 e 2001. ?Sabemos que muito foi gasto em viagens, jantares, equitação e voleibol?, disse o deputado dinamarquês Jens-Peter Bonde. Ele exigiu a renúncia do Comissário Europeu de Assuntos Econômicos, Pedro Solbes, responsável pela Eurostat.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.