Escândalo de paternidade complica situação de Lugo

A situação do presidente do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, complicou-se ontem, com o aparecimento de mais um filho atribuído a ele - o terceiro em duas semanas - e a versão da existência de uma lista de seis outras mulheres que ainda vão reivindicar a paternidade dele sobre suas crianças. À medida que os escândalos de paternidade em série se alastram, a oposição prepara uma ação criminal por ?estupro? contra o presidente, e seu vice, o liberal Federico Franco, ameaça romper com ele.

AE, Agencia Estado

23 de abril de 2009 | 08h34

Damiana Morán, de 39 anos, militante de esquerda como Lugo, afirmou ontem ter um filho de 1 ano e 4 meses com o presidente. Ao contrário das outras duas mães, no entanto, ela disse que não entraria com ação de reconhecimento da paternidade nem exigiria pensão alimentícia. ?Não preciso de ajuda?, disse Damiana, dona de uma creche. Segundo ela, Lugo não sabia, até segunda-feira, quando ela o procurou, que era pai de seu filho. Ela diz que decidiu divulgar o fato ?em nome da verdade?, depois do surgimento de outros casos, e de ter tido conhecimento da lista de seis outras mulheres que reivindicariam o reconhecimento da paternidade de seus filhos por Lugo.

A lista não incluiria Damiana nem as outras duas mulheres que já afirmaram ter tido filhos com o presidente. Segundo Damiana, o advogado de Lugo, Marcos Fariña, disse-lhe que o presidente reconheceria a paternidade de seu filho. Lugo, de 57 anos, foi bispo de San Pedro até janeiro de 2005, quando o Vaticano aceitou sua renúncia. Mas continuou como sacerdote até dezembro de 2007, quando deixou a batina para se lançar à presidência. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ParaguaiLugofilhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.