Escândalo de pedofilia abala Portugal

Duramente golpeados pelo maior escândalo dos últimos anos, os portugueses não sabem como reagir diante das investigações sobre casos de pedofilia - abusos sexuais contra crianças, cometidos por personalidades proeminentes da política e do mundo dos negócios. O caso, descrito pelo presidente Jorge Sampaio como "uma desgraça nacional", emergiu quando algumas pessoas, entre as quais vítimas, tornaram públicas décadas de violações em orfanatos estatais para meninos e albergues.Segundo as denúncias divulgadas pelos jornais de Lisboa e outras cidades do país, funcionários do governo português conheciam as irregularidades, mas não fizeram absolutamente nada a respeito. Adolescentes, com o rosto coberto e a voz modificada eletronicamente, relataram diante das câmeras da televisão portuguesa experiências terríveis.Muitas das vítimas são hoje pessoas adultas e vinham guardando segredo, por medo ou constrangimento. Agora, porém, decidiram revelar as torturas sexuais a que foram submetidas. As autoridades policiais portuguesas acreditam que o número violentados pode chegar a várias centenas.O líder socialista Eduardo Ferro Rodrigues foi interrogado pelos promotores que presidem o processo durante mais de cinco horas, na quarta-feira. Ele deixou o edifício sem dar declarações. Funcionários da Justiça portuguesa também se recusaram a falar sobre o depoimento, ou se Rodrigues está implicado no escândalo. O Partido Socialista, do qual é líder, dispõe da segunda maior bancada no Parlamento português.Educadores e orientadores designados pelo governo disseram que pelo menos 130 meninos, internados em orfanatos, sofreram abusos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.