Philippe Wojazer/Reuters
Philippe Wojazer/Reuters

Escândalo de venda de armas atinge Sarkozy

'Caso Karachi' é um dos escândalos mais graves que envolve o comércio internacional de armas

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2012 | 03h07

PARIS - Revelações recentes feitas pela imprensa da França estão apertando o cerco ao presidente Nicolas Sarkozy, em um dos mais graves escândalos de pagamento de propinas no comércio internacional de armas, o chamado "Caso Karachi". Depois de reportagens da agência France Presse e do portal Mediapart, agora o jornal Libération trouxe provas de que Sarkozy, então ministro do Orçamento, conheceria a negociata feita em 1994.

A acusação do jornal de centro-esquerda foi feita em reportagem de capa intitulada "Sarkozy sabia", publicada na segunda-feira, 2. Segundo o diário, o atual presidente teria avalizado em 1994 a criação de uma empresa, a Heine, para viabilizar o pagamento de "comissões ocultas".

A denúncia tem base em investigações realizadas pela polícia de Luxemburgo, que teria se apoderado de correspondências trocadas entre Sarkozy e os diretores da empresa. À Justiça de Luxemburgo, uma das testemunhas do caso, Gérard-Philippe Menayas, ex-diretor administrativo e financeiro da Direção de Construções Navais (DCNI) - estaleiro que produzia as fragatas vendidas ao Oriente Médio -, afirmou: "É claro que o Ministério do Orçamento necessariamente deu o seu OK para a criação de Heine. (...) Vista a importância do assunto, essa decisão só poderia ser tomada no nível do gabinete do ministro."

Na prática, Sarkozy teria aprovado a isenção de impostos para os cerca de € 300 milhões em "comissões" atreladas a dois contratos - Agosta e Sawari II -, ambos relativos à venda de submarinos e fragatas respectivamente ao Paquistão e à Arábia Saudita. Uma parte da propina paga teria voltado à França na forma de financiamento clandestino de campanhas eleitorais da União por um Movimento Popular (UMP) - partido de Sarkozy, do ex-presidente Jacques Chirac e do ex-primeiro-ministro Édouard Balladour. Um diretor de gabinete de Sarkozy já é oficialmente investigado pela Justiça.

A quatro meses do primeiro turno das eleições presidenciais, as revelações ameaçam o as pretensões de Sarkozy. Ontem, pelo segundo dia consecutivo, líderes do Partido Socialista (PS), do Partido Verde e da Frente Nacional (FN), de extrema direita, uniram-se para cobrar explicações do chefe de Estado.

Já a UMP, de Sarkozy, em vez de esclarecer as denúncias preferiu questionar a idoneidade do jornal Libération e seus vínculos com os socialistas. "O PS está restabelecendo seu gosto pela perseguição", afirmou Sébastien Huygue, secretário nacional da UMP.

Tudo o que sabemos sobre:
armassarkozyfrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.