Escândalo é chance para 'limpar' relação governo-imprensa, diz Clegg

Vice-premiê defendeu posição de Cameron sobre a compra do canal a cabo BSkyB

Associated Press

21 de julho de 2011 | 09h53

LONDRES - O vice-primeiro-ministro do Reino Unido, Nick Clegg, afirmou nesta quinta-feira, 21, que o escândalo dos grampos ilegais é uma chance de limpar as relações impróprias entre políticos, jornalistas e policiais.

 

 

Veja também:

link Murdoch prejudica investigação, diz comissão

link ''Wall Street Journal'' critica o chefe para manter credibilidade    

link Opinião: Desculpem pela falta de decência e pelos corruptos  

 

 

Clegg defendeu, no entanto, o primeiro-ministro David Cameron em questões sobre supostas negociações impróprias com executivos da News Corporation, do magnata Rupert Murdoch, sobre a tomada total de controle da rede de televisão a cabo British Sky Broadcasting (BSkyS).

 

 

O vice-premiê disse que espera que uma investigação ampla liderada pelo juiz Brian Levenson leve a soluções dos problemas revelados recentemente, incluindo o caso dos grampos ilegais e suborno da polícia pelo tabloide "News of the World".

 

"Eu acho que nós temos agora uma oportunidade única de realmente limpar as práticas obscuras e relacionamentos duvidosos que criaram raízes no coração da fundação britânica entre imprensa, políticos e polícia", disse Clegg.

 

Durante uma sessão extraordinária da Câmara dos Comuns na quarta-feira, Cameron evitou perguntas sobre se ele havia discutido a proposta de compra com os executivos da BSkyB e da News Corp, mas insistiu: "Eu nunca tive uma conversa inapropriada sobre o assunto".

 

Cameron disse que não lhe cabia decidir se seria dada autorização regulamentar à News Corp para fazer um lance pela BSkyB, deixando essa decisão com o secretário de Cultura, Jeremy Hunt. A News Corp retirou o lance antes de Hunt chegar a uma decisão final.

 

"Eu acho que parte disso está ficando meio semântico: apropriado/inapropriado, relevante/irrelevante", disse o vice-premiê.

 

"Ele (Cameron) foi muito aberto, ele disse que nenhuma negociação imprópria ocorreu e que ele não teve papel algum na tomada de decisão sobre o lance da BSkyB. Eu acho que esses fatos falam por si", finalizou Clegg.

 

Leia mais:

lista ENTENDA: O escândalo dos grampos na Inglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.