Escândalo faz chefe médico do Exército americano renunciar

O diretor de saúde do Exército dos Estados Unidos, general Kevin C. Kiley, demitiu-se nesta segunda-feira, 12, em meio a um escândalo sobre a falta de estrutura no principal centro médico da instituição. Kiley tem sido o principal alvo das críticas feitas às condições no Centro Médico do Exército Walter Reed, o qual ele dirigiu por dois anos, entre 2002 e 2004. Soldados e familiares queixam-se de condições de atendimento abaixo do padrão e atrasos burocráticos no hospital, onde costumam ser atendidos os feridos nas guerras do Iraque e do Afeganistão. A saída de Kiley é um indicativo de que a crise desencadeada com as revelações sobre a má qualidade do atendimento no Walter Reed ainda deve se aprofundar. A controvérsia já se tornou uma das preocupações centrais da administração Bush, que a cada dia se desgasta tentando defender uma guerra impopular.Segundo o Exército, Kiley teria enviado seu pedido de demissão no domingo. "Eu pedi minha demissão porque penso que é o melhor para o Exército", diz o general em seu requerimento. "Nós somos um Departamento Médico de um Exército em guerra. O problema não deveria, e não é, de apenas um médico", completou, defendendo-se de uma eventual execração. O general já é o terceiro médico do alto escalão militar envolvido com a polêmica em torno do Walter Reed a deixar o posto. O primeiro foi o general George W. Weightman, despedido em 1º de março porque o Secretário do Exército, Francis J. Harvey, "perdeu a confiança" em sua habilidade para melhorar as condições de atendimento aos soldados feridos. Mas apenas um dia depois, Harvey também perdeu o cargo. O motivo seria o suposto descontentamento do secretário de Defesa americano, Robert M. Gates, com a escolha de Harvey, que colocou Kiley no lugar de Weightman. Dada a reação de Gates, estava claro que a situação de Kiley era insustentável. "Devemos nos mover rapidamente para preencher esse posto - esse líder terá um papel chave para que atendamos as necessidades para o tratamento de nossos guerreiros feridos", disse o secretário do Exército, Pete Geren. Segundo fontes anônimas, ele teria sido o responsável pelo pedido para que Kiley renunciasse. A crise em torno das condições no Walter Reed ganhou repercussão depois de uma reportagem do jornal americano The Washington Post publicada no mês passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.