Escândalo sexual abala republicanos

A disputa eleitoral entre democratas e republicanos ganhou mais um ingrediente neste domingo, quando a direção do Partido Republicano no Congresso dos EUA reconheceu saber desde o fim de 2005 que o deputado Mark Foley, republicano da Flórida, trocou mensagens eletrônicas de índole sexual com menores que trabalhavam como mensageiros do poder legislativo.Na sexta-feira, Foley se viu obrigado a apresentar sua renúncia ao Congresso após o conteúdo de um e-mail, enviado a um menino de 16 anos, ter sido revelado pela rede de TV ABC. A emissora também divulgou o conteúdo de mensagens instantâneas enviadas a outros mensageiros. Foley era deputado desde 1995 e presidia um grupo dentro do Congresso que defende menores desaparecidos ou explorados.As revelações imediatamente se tornaram um tema das eleições legislativas de novembro, com líderes democratas criticando a aparente tentativa republicana de esconder a conduta de Foley. "Isto deve ser investigado de forma objetiva", disse a deputada Jane Harman, a principal representante democrata na Comissão de Inteligência da Câmara. "A liderança democrata deveria ter sido avisada sobre isto há dez meses", completou.Em meio às críticas, os três principais representantes republicanos da Câmara reagiram veiculando ontem uma declaração em que classificam os atos de Foley como "uma obscena quebra de confiança". "A comunicação de Foley com os mensageiros da Câmara é inaceitável e abominável", afirmaram em nota o líder da maioria John Boehner, o presidente da Câmara, Dennis Hastert, e o encarregado de votações do partido, Roy Blunt. Os três também sugeriram abertura de uma investigação criminal sobre o assunto.Aos 52 anos, Foley ocupava uma cadeira no Congresso desde janeiro de 1995, integrando o grupo de republicanos moderados. Ele aspirava a um novo mandato e parecia bem colocado na disputa contra seu adversário democrata, Tim Mahoney. Raposa no galinheiroFoley era co-presidente do Centro Congressional de Crianças Desaparecidas e Exploradas.Nas mensagens divulgadas na sexta-feira pela ABC, Foley, utilizando o pseudônimo Maf54, aconselha um dos jovens a "tirar a roupa". Em outro e-mail, quando o adolescente diz estar vestido com uma camiseta e shorts, Maf54 responde: "Adoraria tirá-los de você". Na terceira mensagem, Maf54 pergunta: "Te deixo um pouco excitado?"Fontes republicanas disseram à rede CNN que a renúncia de Foley foi estimulada pela preocupação de que outros e-mails do agora ex-deputado, com conteúdos sexuais mais explícitos, fossem divulgados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.