LEON NEAL / AFP
LEON NEAL / AFP

Escândalo sexual do príncipe Andrew ofusca campanha eleitoral britânica

O primeiro-ministro e seu oponente trabalhista haviam planejado divulgar seus planos para o país antes da eleição de 12 de dezembro, mas os discursos foram ofuscados pela repercussão de uma entrevista do príncipe

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2019 | 15h56

LONDRES - Um escândalo de denúncia sexual envolvendo o príncipe Andrew ofuscou a campanha eleitoral do Reino Unido nesta segunda-feira, 18, quando o filho da rainha Elizabeth enfrentou uma forte reação a uma negativa confusa de acusações de sexo com uma adolescente.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e seu principal oponente, o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, haviam planejado divulgar seus planos para a quinta maior economia do mundo antes da eleição de 12 de dezembro.

Em vez disso, os discursos foram ofuscados pela explicação de Andrew para seu relacionamento com o financista americano Jeffrey Epstein, morto em agosto, e pela refutação de ter feito sexo com uma das acusadoras de Epstein, Virginia Giuffre, quando ela tinha 17 anos.

Em um evento organizado pelo CBI, o principal lobby britânico do setor empresarial, Johnson foi indagado duas vezes sobre o príncipe Andrew, incluindo se ele compartilhava a “incredulidade da nação” a respeito do relato de Andrew sobre seu  comportamento e o que aconselharia a rainha a fazer.

“Não serei induzido a comentar questões relativas à família real”, disse Johnson depois de prometer acabar com a incerteza sobre a separação britânica da União Europeia finalizando o processo até 31 de janeiro.

Mais cedo, ele havia sido questionado por um repórter se incentivaria o príncipe a cooperar com as autoridades dos Estados Unidos no tocante às ações de Epstein. O premiê respondeu: “Boa tentativa”.

Os comentários de Andrew à rede BBC dominaram o noticiário e provocaram o repúdio da mídia nacional, que disse que suas explicações são insatisfatórias. Os advogados das vítimas de Epstein disseram que o príncipe mostrou pouca solidariedade pelas pessoas abusadas.

O príncipe, cujo título oficial é Duque de York, disse em uma entrevista à BBC exibida no sábado que não poderia ter feito sexo com uma adolescente na casa de uma socialite de Londres porque voltou ao seu lar após uma festa infantil na noite em questão e não se lembra de tê-la conhecido.

Andrew deu várias razões para sustentar que o relato da vítima, que disse tê-lo conhecido quase duas décadas atrás em um clube noturno londrino dançando e suando antes de fazer sexo com ele, não pode ser verdadeiro.

Entre elas está um problema médico que o impede de transpirar, o fato de que “nunca foi festeiro” e de evitar “exibições públicas de afeto”.

Mas a mídia britânica publicou fotos de Andrew em diversas festas na companhia de várias mulheres, em algumas das quais ele aparece demonstrando afeto e transpirando claramente./ REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.