Escândalo tira votos de trabalhistas e conservadores

O escândalo de gastos abusivos dos parlamentares britânicos deve aumentar o descrédito popular nos políticos e partidos tradicionais, levando ao crescimento de legendas menores e candidatos independentes nas próximas eleições. "Como tanto trabalhistas quanto conservadores foram manchados, o caso vai permitir que independentes e partidos radicais saiam-se melhor nas duas eleições de junho - regionais e para o Parlamento Europeu", afirmou ao Estado Ben Page, diretor do instituto de pesquisa Ipsos Mori. Mas as perdas em votos e confiança aparentemente afetarão de forma mais grave o Partido Trabalhista, do primeiro-ministro Gordon Brown. "Por ser o partido que está há 12 anos no poder, sua responsabilidade é maior. Mas o escândalo também recai mais forte sobre os trabalhistas porque seus parlamentares protagonizaram alguns dos piores casos", disse o professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade de Warwick, Wyn Grant.A atual crise política ainda pode provocar uma redução no comparecimento às urnas. Mas o diretor da Ipsos não acredita em nenhuma alteração significativa. "Há muitos anos temos quase 80% da população afirmando em pesquisas que não confia nos políticos. Os fatos de agora apenas confirmaram as suspeitas da maioria", disse. O abalo na imagem dos membros da Câmara dos Comuns arranha o sistema político, mas não chega a ameaçar as instituições democráticas. "Ganharemos mais transparência, alguns procedimentos devem ser aprimorados. Mas as instituições em si não sofrerão alterações", diz Page. A Grã-Bretanha tem uma das mais antigas democracias parlamentares, com origens no século 12, e serviu de modelo para governos de todo o mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.