Escassez tira azeite das mesas de Caracas

Apesar de esforço do governo, que subsidia alimentos em mercados populares, faltam produtos como carne bovina e farinha

LUIZ RAATZ , ENVIADO ESPECIAL / CARACAS, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2012 | 03h05

Programas estatais do governo de Hugo Chávez não têm sido bem-sucedidos no esforço de pôr fim à crônica escassez de alimentos na Venezuela. Nas últimas semanas, moradores de Caracas relatam a escassez de carne, farinha de milho e azeite. No domingo, o governo anunciou a distribuição de 190 toneladas de gêneros de primeira necessidade em 12 Estados do país por meio da rede estatal Mercal.

"Há semanas que venho aqui e não tem carne", reclamou a aposentada Marinés de La Cruz à reportagem do Estado em um supermercado no centro de Caracas. "O problema é que tudo aqui é importado. Às vezes, as coisas demoram para chegar."

Sem carne bovina, a aposentada teve de se contentar com a suína. Rosa Trujillo, funcionária do supermercado, diz que o fenômeno é comum. "Aqui está assim faz tempo: só tem linguiça, frango e porco."

Nas barracas estatais da rede Mercal, na favela 23 de Enero, reduto chavista a oeste de Caracas, moradores relatam também escassez de azeite e farinha de trigo.

No bairro, são comuns placas onde se vê o anúncio "Troca-se azeite" como maneira de aliviar a escassez do produto. "Tenho de andar muito para comprar farinha e azeite", diz a comerciante Nayani Carrillo. "Além disso, no Mercal, limitam a quantidade que você pode comprar."

Falta. Em alguns restaurantes de Caracas é rara a presença de azeite nas mesas. Os garçons servem uma pequena porção nos pratos, quando isso é requisitado. Segundo o governo, os preços do Mercal são em média 40% mais baratos do que os cobrados em mercados "capitalistas".

Dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE) mostram que a importação agrícola venezuelana cresceu 200% nos dois primeiros meses do ano, na comparação com o mesmo período de 2011.

Os produtos mais comprados nos mercados estatais, ainda de acordo com os dados do INE, são açúcar, arroz, leite em pó e azeite.

Segundo economistas críticos do chavismo, os programas são largamente subsidiados e o sistema de armazenamento de alimentos controlado pelo governo é precário. No ano passado, toneladas de alimentos acabaram apodrecendo num armazém estatal em Anzoátegui, causando revolta principalmente entre os opositores de Chávez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.