Escavação para salvar mineiros presos no Chile é retomada

Quebra de peça fez perfuração ficar parada por 6 dias; 1ª sonda já alcançou 268 metros

AE-AP, Agência Estado

14 de setembro de 2010 | 15h47

Mulher de um dos mineiros presos escreve carta para o marido

 

SANTIAGO- Após a retirada de uma peça que quebrou quando a escavação havia alcançado 268 metros, foi retomada nesta terça-feira, 14, a perfuração da sonda para salvar os 33 mineiros presos no norte do Chile, após seis dias de paralisação. Já se passaram 40 dias do acidente que deixou os mineiros presos a quase 700 metros de profundidade.

Veja também:

linkNasce filha de mineiro preso no Chile

especialInfográfico: animação mostra como será o resgate

especialLinha do tempo: os piores acidentes da década

A primeira sonda, que começou seu trabalho há duas semanas, chegou a 283 metros de profundidade, e a meta era alcançar 300 metros ainda hoje. "É um bom dia para nós, estamos contentes com a equipe de resgate que se encontra trabalhando nos três planos (diferentes de resgate)", disse René Aguilar, coordenador da equipe.

A perfuratriz danificada ficou seis dias parada pela quebra de uma peça. Pedaços do componente ficaram no fundo do túnel e impediam o prosseguimento da perfuração. A peça foi trocada por outra, importada dos Estados Unidos. As autoridades mantêm o prazo previsto de entre três e quatro meses para o resgate. Os familiares, porém, temem que os problemas atrasem mais o processo.

Um engenheiro que assessora os familiares propôs como alternativa que um grupo entre na mina e tente abrir caminho por entre a área que ruiu recentemente. O engenheiro André Sougarret, chefe das tarefas de resgate, descartou "absolutamente" essa hipótese, notando que ela representaria um risco grande para os que entrarem na mina.

Sonda

Sougarret disse também que a montagem da terceira sonda está bastante avançada, uma enorme máquina usada em prospecções petrolíferas. O equipamento, que em um mês e meio deve alcançar seu objetivo, por ser mais rápido que as outras duas, deve começar a operar na próxima segunda-feira.

O engenheiro afirmou, em entrevista à rádio Cooperativa, que uma das preocupações é controlar a ansiedade dos mineiros. Eles têm diversas atividades, bem como comunicação audiovisual, para que se distraiam. Além disso, têm assistência psicológica e também passaram a receber cigarros todos os dias. No próximo domingo, o presidente Sebastián Piñera deve visitar o local.

Enquanto isso, a Marinha já elaborou uma maquete da cápsula com a qual os mineiros serão içados até a superfície. Ela conta com oxigênio e um sistema de comunicação, além de uma alternativa de escape, para o caso de haver algum problema. Sougarret explicou, porém, que o modelo é apenas um dos avaliados para o trabalho até o momento.

Tudo o que sabemos sobre:
resgatemineirosChileescavação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.