Escócia investiga surto de antraz entre usuários de drogas

Pelo menos duas pessoas já morreram devido à infecção que está atingindo usuários de heroína.

BBC Brasil, BBC

24 de dezembro de 2009 | 02h03

Autoridades escocesas estão investigando um surto de contaminações pela bactéria Bacillus anthracis, causadora da infecção conhecida como antraz (ou carbúnculo), entre os usuários de heroína do país.

Nesta quarta-feira, foi confirmada a morte de um usuário da droga que estava internado na cidade de Glasgow e havia tido um diagnóstico positivo para a infecção.

Na semana passada, um outro usuário de heroína morreu devido à contaminação pela bactéria.

As autoridades ainda investigam a morte de outro homem, mas os testes para confirmar a infecção por antraz ainda não foram concluídos.

Riscos

Outras duas pessoas, uma mulher, também em Glasgow, e outro usuário, em Lanarkshire, estão sendo tratados devido à infecção.

De acordo com o consultor de saúde pública Syed Ahmed, no entanto, não foram registradas novas infecções desde o final de semana.

O médico, no entanto, alerta os usuários de drogas injetáveis a procurarem os serviços de saúde ao menor sinal de infecção.

"As drogas injetáveis são extremamente perigosas. A possível presença de um lote de heroína contaminado com antraz faz a injeção da droga ainda mais arriscada", disse.

Infecção aguda

O antraz é uma infecção bacteriana aguda mais comum entre animais como bovinos, ovelhas e cabras.

Normalmente, pessoas adquirem a infecção ao inalarem ou ingerirem os esporos da bactéria. A doença não é transmissível entre humanos.

A última morte relacionada ao antraz na Escócia foi registrada em 2006, quando o artesão Christopher Norris morreu após inalar os esporos.

Ele provavelmente se contaminou ao manusear partes de couro de animais usados para fabricação instrumentos musicais.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.