´Escola de paramilitares´ treinou mais de 6 mil, diz ex-rebelde

Carlos Mario Jiménez afirma que vai ajudar a localizar 78 vítimas na Colômbia

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

O ex-chefe paramilitar Carlos Mario Jiménez, conhecido como Macaco, revelou na quarta-feira, 13, que em 2000 funcionou uma "escola de paramilitares" numa região do noroeste da Colômbia, onde foram treinados mais de 6 mil homens. Macaco, que antes de se desmobilizar era chefe do Bloco Central Bolívar (BCB) das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), fez a revelação no segundo dia de uma audiência judicial na cidade de Medellín. Ele disse que a Escola General Santander funcionou na zona rural de Caucasia, no departamento de Antioquia. Ali os "alunos" receberam treinamento militar e político. Entre estes estavam alguns soldados que, ao terminar seu serviço militar, buscaram emprego na guerrilha de extrema direita. Na terça-feira, ao iniciar sua audiência, Jiménez confirmou a entrega de bens avaliados em US$ 54 milhões, para indenizar as vítimas de sua facção. Ele anunciou que está disposto a ajudar a localizar 78 vítimas.

Mais conteúdo sobre:
Colômbia paramilitares

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.