Escola do Missouri se desculpa por estudantes virarem as costas para adversários negros

Incidente ocorreu quando o time visitante, com jogadores negros, entraram em quadra; um dos alunos ergueu cartaz de Trump

O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2016 | 00h23

Uma escola de Missouri está pedindo desculpas após um grupo de estudantes brancos terem virado de costas e levantado um cartaz de Donald Trump no início de uma partida de basquetebol quando o time adversário, cujos jogadores eram em sua maioria negros, entraram na quadra.

"Membros de nosso quadro de estudantes agiram inapropriadamente e de modo insensível com relação a nossos adversários", disse em um comunicado publicado nesta quinta-feira. "A Escola Warrensburg não apoia essas ações e pede desculpas a todos que se ofenderam com os atos desses estudantes. Faremos o possível para evitar que incidentes como esse ocorram novamente."

O incidente ocorreu na Escola Warrensburg na tarde de segunda-feira quando os jogadores da Escola Center entraram. Um vídeo mostra pelo menos 20 estudantes - alguns usando roupa de camuflagem ou de caubói - virando as costas para a quadra de basquete.

Uma pessoa é vista levantando um cartaz da campanha Trump/Pence. O vídeo, inicialmente postado no Facebook pela aluna da Escola Center Antonia Nunn, teve mais de 7 mil compartilhamentos.

Desde a vitória de Trump, muitos Estados em todos os EUA registraram um aumento de incidentes racialmente motivados.

Nunn, de 20 anos, que foi ao jogo para ver seu irmão mais novo que joga pela Escola Center, disse à NBC que ela se sentiu chocada. Nunn disse que foi um ato de racismo as pessoas levantarem o cartaz de Trump e virarem de costas para um time de maioria negra. Ela acrescentou que durante o jogo as pessoas vaiaram e gritaram "oink oink".

O superintendente de Warrensburg, Scott Patrick, disse à NBC não acreditar que o incidente foi racialmente motivado e a escola tem a tradição de os estudantes virarem as costas quando os adversários entram em quadra. "Acho que o estudante que levantou a placa Trump/Pence provavelmente não pensou nas consequências do que ele estava fazendo", acrescentou.

Patrick disse que haverá consequências para os estudantes envolvidos, mas não deu detalhes. "Vamos conversar com nossos alunos sobre como esperamos que se comportem em eventos como esse."

 

Mais conteúdo sobre:
Donald Trump Facebook

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.