Escola expulsa filhos de rabino que foi a conferência no Irã

Os filhos de um rabino austríaco que participou recentemente no Irã de uma polêmica conferência sobre o Holocausto foram expulsos da escola onde estudavam e receberam a notícia de que nenhuma outra instituição de ensino judaica da Áustria os aceitará, denunciou o pai dos garotos.O rabino anti-sionista Moishe Arye Friedman disse que está processando a escola. Ele contou que seus quatro filhos em idade escolar foram expulsos na segunda-feira.Uma carta exibida por Friedman em papel timbrado da escola dizia que a razão das expulsões foi o "comportamento ultrajante do pai", que no mês passado viajou a Teerã para participar de uma conferência organizada pelo governo iraniano com o objetivo de questionar o Holocausto.Friedman foi um dos rabinos que estiveram na conferência e cumprimentaram o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, que nos últimos meses causou furor ao comentar em público que considera o Holocausto um "mito" e defender que Israel deve ser "riscado do mapa" do Oriente Médio.O rabino Friedman é simpático à Neturei Karta, uma seita judaica ultraortodoxa de oposição ao movimento sionista e contrária à fundação do Estado de Israel na forma como ela ocorreu. Apesar de ser simpático ao grupo, Friedman não é filiado a ele.Em resposta às críticas por sua participação na conferência, a Neturei Karta salientou que nunca negou a existência do Holocausto nem contesta sua proporção.Os integrantes de seita, estimados em aproximadamente 5.000 judeus ultraortodoxos, são contra a criação de Israel de forma violenta e acreditam que o "verdadeiro Estado judeu" ainda será fundado pacificamente por Deus, com a vinda do Messias.O grupo informou ainda que considera injustos os comentários de Ahmadinejad e defendeu que seus integrantes deveriam ser elogiados por tentar persuadir o presidente iraniano a direcionar sua ira contra o Estado de Israel, e não contra o povo judeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.