Escola islâmica sofre ameaças no Reino Unido

A primeira escola islâmica estatal da Grã-Bretanha fechou temporariamente suas portas, na tentativa de proteger seus alunos muçulmanos de represálias, após os ataques terroristas em Nova York e Washington, disse hoje um funcionário da escola. "A culpa pelo que aconteceu em Nova York pode ser atribuída a qualquer um, mas nós achamos que, para a segurança das crianças desta escola, seria melhor fazer isto", disse Zafar Ashras, administrador-chefe da rede de escolas islâmicas. Segundo Ashras, a escola de ensino fundamental Islamia, de Londres, recebeu telefonemas depois dos ataques ao World Trade Center e ao Pentágono, na terça-feira. Uma funcionária da escola usando véu sobre o rosto também tinha sido ameaçada enquanto fazia compras. A escola pretende reabrir na segunda-feira, disse o administrador. Líderes comunitários islâmicos relataram na quinta-feira a ocorrência de várias demonstrações de xenofobia por todo o país. "Estamos recebendo informações sobre várias ameaças e ataques", disse Michele Messaoudi, do Fórum contra a Islamofobia e o Racismo. "As crianças muçulmanas a caminho da escola têm sofrido abusos e as mesquitas vêm recebendo ameaças continuamente", disse ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.