Andrew Testa/The New York Times
Andrew Testa/The New York Times

Escolas de Londres querem ficar abertas, mas casos de covid tornam a missão quase impossível

Escolas em toda a Inglaterra estão lutando para saber como seria viver com a pandemia, enquanto professores e funcionários se contaminam

Por Megan Specia, The New York Times, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2022 | 15h00

LONDRES - Evelyn Forde esperava que janeiro trouxesse algum alívio. Como professora-chefe da Copthall School, no norte de Londres, ela passou as últimas semanas de 2021 lidando com uma grande falta de pessoal quando a variante Ômicron do coronavírus começou a se espalhar pela cidade. Mas na terça-feira, quando a escola secundária reabriu suas portas, 13 dos 120 professores estavam ausentes. Um dia depois, outro professor testou positivo.

“Estávamos apenas nos segurando e pensando,‘Vai ficar tudo bem quando voltarmos em janeiro’”, disse Forde, “apenas para a variante se espalhar como um incêndio.”

Essas cenas se repetiram em Londres na semana passada em meio a um aumento recorde de infecções por coronavírus, mesmo enquanto o governo se absteve de impor um bloqueio nacional, optando por "enfrentar" a onda.

O cálculo em Londres, como no resto da Inglaterra e grande parte dos Estados Unidos, parece ser o mesmo. Muitos pais, políticos e administradores de escolas estão desesperados para manter as escolas abertas após dois anos de aberturas e fechamentos caóticos. Mas a variante está levantando questões sobre essas esperanças, pelo menos no curto prazo.

Na Inglaterra, as preocupações com a equipe são terríveis o suficiente para que aposentados - muitas vezes mais velhos e, portanto, mais vulneráveis a doenças graves causadas pelo coronavírus - sejam instados a voltar ao trabalho. As escolas foram aconselhadas a mesclar turmas para preencher lacunas de pessoal. E em um país que há muito tempo resiste aos tipos de precauções tomadas em países como a Alemanha, as escolas secundárias agora são obrigadas a testar todos os seus alunos duas vezes por semana - aumentando a carga de equipes menores.

Mesmo assim, alguns pais questionam se os alunos deveriam voltar, porque as precauções são inadequadas e as mudanças prometidas nos sistemas de ventilação são insuficientes e tardias.

Mas na Inglaterra, ao contrário dos Estados Unidos, o governo nacional pode decretar as regras para todas as escolas públicas e, embora os sindicatos de professores continuem a expressar preocupações sobre a falta de proteções, eles geralmente cumprem. Os pais também têm pouca escolha a não ser acompanhar; eles podem ser multados por manter os filhos em casa por causa das preocupações com a covid.

De certa forma, os últimos dias de incerteza parecem uma repetição de janeiro passado, quando outra onda de coronavírus fechou escolas por semanas após terem aberto por apenas um dia. Ainda assim, há mais esperança desta vez de que a variante Ômicron, aparentemente mais branda,  não cause a mesma destruição e que as escolas possam sobreviver com apenas algumas mudanças.

E, para muitas pessoas, quaisquer riscos são superados por indicações de que as crianças não apenas ficaram para trás na escola, mas que muitas também sofreram de problemas de saúde mental devastadores.

Além dos novos requisitos de teste, o governo agora exige que os alunos do ensino médio usem máscaras não apenas nos corredores, mas também nas aulas. O secretário de Educação, Nadhim Zahawi, também prometeu começar a distribuir sistemas de ventilação para milhares de escolas e aumentar o financiamento para ajudar a pagar os professores substitutos. Mesmo assim, os desafios são claros.

Equipes escolares têm mais chances de adoecerem

A equipe de educação tinha mais probabilidade do que outros trabalhadores de apresentar teste positivo para coronavírus no final do ano passado e ter que se isolar, de acordo com números do Escritório de Estatísticas Nacionais do Reino Unido, e em Londres, muitas escolas lutaram apenas para chegar às férias em meio às ausências da equipe.

Desde que muitas escolas reabriram na semana passada, mais de um terço das cerca de 2.000 escolas pesquisadas na Inglaterra tiveram 10% de seus funcionários ausentes no primeiro dia de volta, de acordo com uma pesquisa do NAHT, o sindicato dos líderes escolares. E 37% das escolas pesquisadas disseram que não conseguiram encontrar professores substitutos suficientes para substituir os que estavam doentes.

A maioria das escolas tinha apenas dois dias para implementar a nova orientação governamental antes que os alunos começassem a voltar à escola, o que levou muitos a hesitarem em seu retorno para permitir o teste de todo o corpo discente.

Os sindicatos que representam a maioria dos funcionários da educação na Inglaterra pediram apoio governamental adicional. Suas demandas incluem sistemas de ventilação para todas as cerca de 25.000 escolas - um número muito maior do que as 8.000 prometidas - mais pessoas para ajudar nos testes e mais dinheiro para pagar por substitutos.

“As escolas e faculdades não podem por si mesmas reduzir a ameaça representada pelo vírus e precisam do governo de Westminster mais do que retórica sobre a importância da educação”, disseram as organizações em um comunicado na semana passada.

Philippe Sibelly, um professor de arte em uma pequena escola internacional no centro de Londres, disse que a escola teve que fechar dois dias mais cedo para as férias por causa de muitas ausências de funcionários e alunos.

Quando as aulas recomeçaram na terça-feira, Sibelly disse que não houve faltas da equipe, apontando que a maioria dos professores contraiu covid no mês passado ou durante as férias de Natal. Mas agora muitos alunos estão doentes ou se isolando em casa após o teste ser positivo.

Durante as primeiras ondas da pandemia, a escola foi além das medidas recomendadas pelo governo, permanecendo fechada para o ensino presencial por um período mais longo e instalando melhores sistemas de ventilação. Mas Sibelly disse que essas decisões muitas vezes foram recebidas com resistência de alguns pais.

“De qualquer maneira, desde o início da pandemia, seja o que for que façamos, bem, não podemos ganhar porque é uma questão muito polarizadora”, disse, embora tenha acrescentado que a maioria dos pais parecia concordar com a abordagem atual.

Esperanças de que o pior já passou

Alguns educadores têm esperança de que o pior possa ter ficado para trás. Nick Soar, o diretor executivo da Harris Federation of Schools, que supervisiona duas escolas particulares no centro e no norte de Londres, disse que eles voltaram das férias com muitas faltas de funcionários e alunos.

Ele atribuiu aos funcionários da escola esforços heroicos para manter a escola aberta, incluindo alguns professores que foram expostos ao vírus ou tiveram casos assintomáticos dando aulas remotamente de suas casas para salas de aula cheias.

Mas, disse ele, parece que as coisas deram uma virada, com os testes até agora revelando apenas um punhado de casos e muito menos ausências do que em dezembro.

“Parece que o fantasma se foi, embora estejamos cruzando os dedos”, disse Soar. “Aprendemos que, se nos unirmos, não podemos reagir de forma exagerada e garantir que um ótimo e empolgante ensino ocorram, mesmo quando tudo ao seu redor possa parecer estar desmoronando.”

Especialistas em saúde pública, no entanto, alertaram que o impacto total da mistura social durante as festas de fim de ano ainda não foi visto. Isso - e o que eles consideram uma abordagem governamental aleatória - é o suficiente para aumentar as preocupações de alguns pais sobre a pandemia.

Kirsten Minshall, que mora no sudeste da Inglaterra, questionou a abordagem reativa do governo e a orientação de testes de última hora que significava que algumas escolas, incluindo as de seus filhos, atrasaram repentinamente as aberturas, apresentando desafios para os pais que trabalham.

“Não parece que realmente algo seja colocado de forma adequada para lidar com o que está acontecendo no momento”, disse ela. Kirsten destacou que um ano inteiro depois de as escolas terem sido abertas e fechadas em um dia, os líderes do país ainda estão tendo as mesmas conversas sobre máscaras, ventilação e distanciamento nas escolas, quando melhores precauções já poderiam ter sido tomadas. Agora ele teme que seja só uma questão de tempo até que alguém de sua família pegue o vírus.

“Temos esse choque de um desejo de que tudo seja como sempre foi, em relação à nova realidade”, disse ele. Chaela Cooper, cujos filhos vão à escola no sudeste da Inglaterra, disse que também está frustrada e assustada. Ela gostaria de ver o uso de máscaras obrigatório em todas as faixas etárias, já que a maioria das crianças menores de 12 anos ainda não pode se vacinar, bem como sistemas de ventilação melhores.

“Se temos que viver com esse vírus, temos que mitigá-lo”, disse ela. “Do contrário, o que você está realmente dizendo é conviver com a morte e a doença”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.