Escolas fecham com enchentes na Arábia Saudita

Autoridades sauditas cancelaram as aulas em escolas da capital, Riade, e em outras regiões pelo quinto dia consecutivo após fortes chuvas terem inundado estradas e cortado o fornecimento de energia. As tempestades ocorrem todos os anos na região árida quando o clima começa a mudar nos meses mais frios, mas as deste ano são as mais fortes desde 2009, quando mais de cem pessoas morreram em enchentes.

DAYANNE SOUSA, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS E DOW JONES NEWSWIRES, Agência Estado

20 de novembro de 2013 | 11h53

Até o momento, ao menos quatro mortes foram provocadas pelas chuvas. A agência de notícias oficial da Arábia Saudita disse que as escolas fecharam em Riade e em ao menos outras quatro províncias. As aulas estão suspensas desde sábado, pouco depois de as tempestades terem começado.

Os estragos provocados pela grande quantidade de água tem sido amplamente documentados pela população saudita nas redes sociais e levantaram, conforme destacou hoje o Wall Street Journal, questionamentos sobre os problemas de infraestrutura do país. Pontes arruinadas, túneis e telhados destruídos levantaram as reclamações de cidadãos sobre as construções ruins num país rico por conta do petróleo.

Nesta quarta-feira, filmagens feitas com celulares mostraram motoristas sauditas sobrevivendo ao colapso de uma ponte no norte da capital. Viajantes no aeroporto internacional de Riade e no aeroporto da cidade de Dammam foram recebidos esta semana por água jorrando das luminárias e vazando pelas portas.

Mais conteúdo sobre:
Arábia Sauditaenchente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.