Escolha de vice atrai doações para a campanha de Romney

Paul Ryan, indicado para ser companheiro na chapa do republicano, é ligado a magnatas e bilionários americanos

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2012 | 03h08

As doações online para a campanha do republicano Mitt Romney à Casa Branca aumentaram em US$ 7,4 milhões desde sábado, quando ele anunciou o deputado Paul Ryan como seu companheiro de chapa. Esse montante, porém, é uma fração do total que os republicanos esperam arrecadar de magnatas e bilionários cortejados há muito tempo pelo próprio Ryan.

O candidato a vice terá no dia 21 uma "reunião financeira" com Sheldon Adelson, magnata de hotéis e cassinos de Las Vegas, que já contribuiu com US$ 10 milhões para a campanha de Romney. O encontro não terá a presença da imprensa, assim como ocorreu nos dois eventos de arrecadação nos quais Ryan compareceu no dia 13, em Denver, no Colorado.

O nome de Ryan está profundamente ligado a sua atuação no Congresso como defensor do ajuste nas contas públicas e da redução do papel do Estado na economia. Em seu sétimo mandato, ele preside o Comitê de Orçamento da Câmara. Sua proposta orçamentária para 2013 traz um resumo de suas convicções: redução de investimentos em obras de transportes e corte de 62% dos gastos em programas de assistência aos mais pobres.

Doações. O plano agradou os setores radicais de seu partido, entre eles o Tea Party, que apoiaram sua escolha como vice-presidente na chapa de Romney. Segundo o New York Times, enquanto a disputa pela vaga estava em curso, Ryan conduziu teleconferência para criticar a política de seguridade social do governo de Barack Obama e defender os cortes nos gastos públicos. A plateia era formada por membros do Americans for Prosperity, organização fundada pelos irmãos Charles e David Koch e inspirada na doutrina do Tea Party.

Os Koch são donos do segundo maior conglomerado de indústrias dos EUA. Charles tem uma fortuna de US$ 25 bilhões, e David é o segundo americano mais rico de Nova York. Ambos têm uma antiga relação com Ryan, que sempre é convidado para suas conferências bianuais sobre temas da atualidade, como o ajuste fiscal e a "falácia" do aquecimento global. Também foram os Koch responsáveis por uma doação de mais de US$ 100 mil para a campanha de Ryan à Câmara dos Deputados.

A situação financeira da campanha de Romney é mais confortável do que a de Obama. Os republicanos têm um total disponível de US$ 185,9 milhões e, nos últimos três meses, arrecadaram mais do que os democratas. A nomeação de Ryan imediatamente provocou reações da campanha de Obama - não só em razão das convicções do republicano na área orçamentária, mas especialmente pela sua capacidade de atrair doações.

O diretor da campanha de Obama, Jim Messina, descreveu a escolha de Ryan como um meio de "tranquilizar e inspirar os ideólogos ultraconservadores e os interesses empresariais". "Romney não precisa ou espera que Paul Ryan convença nem mesmo um eleitor indeciso a dar seu voto pra ele", afirmou. "A escolha é um grande investimento para ele."

Resposta. Em um dos e-mails enviados a milhões de simpatizantes e militantes democratas, Kelly Ward, diretora política do comitê do partido, fez um apelo por doações de US$ 3, no mínimo.

"Mitt Romney levantará dezenas de milhões de dólares em razão do anúncio de Paul Ryan como seu vice-presidente. As viagens de coleta de doação de Ryan começaram imediatamente. Não os deixe usar este momento para nos vencer", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.