Escolha do novo presidente argentino pode ser adiada

Uma discussão no ninho peronista pode adiar para quarta-feira a escolha do novo presidente. Setores do partido peronista sustentam que a candidatura de Duhalde vêm de ?um acordo unitário entre o peronismo de Buenos Aires ? do governador Carlos Ruckauf ? e os radicais e não descartam apresentar um novo nome ao cargo de presidente do país, disse hoje a versão online do jornal La Nacion. Descontentes com o acordo que suspendeu as eleições de 3 de março, peronistas de oposição tentam esvaziar a seção que irá aceitar a renúncia do presidente interino, Adolfo Rodriguez Saá, e escolher o novo nome à Casa Rosada. Até o momento o quórum necessário de dois terços da Câmara e do Senado para eleger o chefe de estado não foi alcançado. Esta manhã, o presidente da Câmara, Eduardo Camaño, que ocupa o lugar de Saá, recebeu na Casa Rosada o líder do Partido Peronista, Humberto Roggero, e o vice-presidente da bancada, José Maria Diaz, para analisar a situação do partido no Congresso e a possibilidade de conseguir quórum para a seção de hoje. À tarde, Duhalde se reuniu com o ex-presidente Raúl Alfonsín, dirigente da UCR e com Aníbal Ibarra, da Frepaso, para delinear uma estratégia que permita algum êxito no pacto entre os partidos. O pacto prevê uma divisão de cargos no governo, o que vem sendo motivo de grande irritação dentro do peronismo.

Agencia Estado,

01 Janeiro 2002 | 16h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.