Escravas sexuais não serão indenizadas no Japão

Uma Corte de Apelação decidiu hoje que o governo do Japão não precisa pagar compensação de guerra a três mulheres coreanas que foram sexualmenteescravizadas pelos soldados japoneses por considerar que nãoocorreu nenhuma violação grave à Constituição. Com esta decisão, a Suprema Corte de Hiroshima reverteua sentença promulgada em 1998 por outra corte distrital quehavia ordenado ao governo o pagamento do equivalente a US$ 7.260às mulheres que haviam sido forçadas a práticas sexuais comsoldados japoneses durante a Segunda Guerra mundial. As três mulheres estavam entre as 10 que haviam entradocom um processo perante a corte distrital de Yamaguchi, no oestedo Japão, em 1992, exigindo uma compensação de US$ 3,1 milhõespelo delito, além de um pedido oficial de desculpas por parte dogoverno japonês. Das três mulheres contempladas pela compensaçãoditada pela primeira sentença, uma delas já morreu. As duas mulheres remanescentes havia apelado da decisãoda corte distrital considerando a compensação muito pequena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.