Escravidão de crianças persiste na África

O comércio e a escravidão de menores persiste na África, mesmo com os esforços internacionais em contrário. Segundo os defensores dos direitos humanos, o tráfico de menores é uma prática muito comum em países como Benin, onde os pais vendem seus filhos por menos de US$ 15, acreditando que eles encontrem trabalho em outros países da África, geralmente em plantações de café e cacau. Mas as organizações humanitárias suspeitam que milhares de crianças entre 9 e 12 anos estejam trabalhando em plantações de coco da Costa do Marfim. Lá, os menores são obrigados a trabalhar durante longos períodos durante o dia ainda sofrem abusos sexuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.