Jeenah Moon/ Reuters
Jeenah Moon/ Reuters

Escritório da CNN em NY é esvaziado após falsa ameaça de bomba

Polícia já verificou e liberou acesso ao prédio da Time Warner, onde está situada a emissora; por telefone, empresa foi informada de que cinco artefatos explosivos teriam sido colocados no local

O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2018 | 03h31

NOVA YORK - O escritório da emissora americana CNN em Nova York foi esvaziado na noite desta quinta-feira, 6, por conta de uma ameaça de bomba. Após checar o local, a polícia descartou a veracidade da informação e liberou o acesso ao prédio.

Por telefone, a emissora foi informada de que cinco artefatos teriam sido colocados no local. Por volta das 22h30 (1h30 de sexta-feira, 7, no horário de Brasília), o alarme de incêndio foi disparado indicando que a redação deveria ser esvaziada.

A grade da emissora foi interrompida por conta da ameaça. Após a retirada de todos os profissionais do edifício, o canal passou a exibir um conteúdo gravado durante cerca de uma hora. Apenas depois desse período, voltou a transmitir sua programação ao vivo, com a cobertura do próprio incidente nas ruas próximas ao local. Sem conseguir utilizar os equipamentos convencionais, as imagens foram transmitidas por celulares conectados ao Skype.

“As pessoas se perguntam por que estão me vendo pelo Skype. É porque nos tiraram do ar por uma ameaça de bomba na CNN”, afirmou Don Lemon, apresentador da emissora.

O escritório da CNN e todo o prédio do conglomerado Time Warner, onde está localizada a redação da emissora, foram esvaziados. A circulação na região, próxima ao Central Park, foi interrompida durante a verificação das autoridades. A polícia checou todos os andares do edifício e descartou a existência de qualquer artefato explosivo por volta da meia-noite (3h, no horário de Brasília).

No final de outubro, o mesmo escritório da emissora em Nova York foi esvaziado por conta de pacotes suspeitos. \ Com agências internacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.