Escritório de De la Rúa defende cunhado suspeito de corrupção

O presidente da Argentina, Fernando De la Rúa, colocou seu escritório de advocacia para defender o cunhado, o ex-almirante Basílio Pertiné, da acusação de corrupção. A empreiteira dele, a San José S.A., é suspeita de ter realizado manobras ilegais para ser favorecida em uma licitação de uma reforma de um hospital. A investigação sobre o cunhado presidencial está sendo realizado pela Oficina Anti-Corrupção. A primeira-dama Inés Pertiné disse que a acusação é "uma infâmia". Já o presidente garante que o cunhado "não tem nada a ver com isto". A licitação, realizada pouco antes da eleição de De la Rúa, foi perdida pela San José, que ficou em terceiro lugar. No entanto, logo após a posse do novo presidente, o contrato com a empresa vencedora foi cancelado, a segunda colocada na licitação foi afastada, e a empresa de Pertiné - que pediu um preço mais alto que as outras - recebeu a obra. Os proprietários das empresas afastadas protestaram e receberam ameaças telefônicas.Pertiné, neto de um ministro da Guerra que nos anos 30 apoiava a Alemanha nazista, ocupou o cargo de secretário-geral da Marinha durante a ditadura militar (1976-83). Ele foi acusado de ter participado dos "vôos da morte", nos quais os repressores jogavam os presos políticos de aviões no rio da Prata). Apesar das acusações, nada foi provado contra ele neste caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.