Federico Parra/ AFP
Federico Parra/ AFP

Escritório de Guaidó em Caracas foi invadido por agentes de inteligência, diz deputada

Líder opositor está em Londres e denunciou também nesta terça-feira, 21, prisão de deputado

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2020 | 20h49

Agentes do serviço de inteligência venezuelano, o Sebin, teriam invadido o escritório do líder opositor Juan Guaidó, em Caracas, nesta terça-feira, 21, denunciou a deputada opositora Delsa Solórzano. 

"Acabaram de nos confirmar que funcionários do Sebin estão dentro do escritório do presidente Guaidó", disse Solórzano a jornalistas depois de conversar com agentes de segurança na Torre Zúrich, onde fica o escritório do líder da oposição.

Mais cedo, Guaidó, que está em Londres, denunciou a prisão do deputado opositor Ismael León, preso por agentes do Estado em Caracas, quando se dirigia a uma sessão parlamentar. 

"Levaram sequestrado o deputado Ismael León", afirmou Guaidó, em declarações reproduzidas pela imprensa na Venezuela.

O chefe do Parlamento controlado pela oposição e reconhecido por mais de 50 países como presidente interino avaliou que o governo socialista de Nicolás Maduro, que qualifica de "ditadura", "já não tem qualquer tipo de máscara".

León e sua assistente foram "interceptados" quando seguiam de carro para a sessão parlamentar, disse à imprensa Joel García, advogado do deputado, nas imediações da sede do serviço de inteligência (Sebin) em Caracas.

Segundo García, o congressista e a assistente estão reclusos em celas deste prédio, conhecido como El Helicoide. As autoridades não se pronunciaram sobre a denúncia. 

O caso de León, membro do partido Vontade Popular de Guaidó, se soma aos dos deputados Juan Requesens e Gilber Caro, presos sob a acusação de conspirar para derrubar Maduro. García declarou que o regime tenta envolver León no ataque a um batalhão na fronteira com o Brasil, em dezembro passado. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.