Escritório do Hamas é metralhado em campo no Líbano

Acampamento de Badawi acolhe refugiados do campo vizinho de Nahr el-Bared

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 09h48

Um grupo de homens armados atacou um escritório do Hamas no campo de refugiados palestinos de Badawi, no norte do Líbano, informou hoje à Efe o chefe regional do movimento islamita, Abu Rabih al-Shibabi. O incidente aconteceu na noite de sábado em Badawi, perto de Trípoli, quando homens armados a bordo de um carro metralharam a sede do Hamas. Segundo Shibabi, o ataque ocorreu depois que supostos simpatizantes do grupo palestino Fatah começaram a tirar as fotos dos líderes do Hamas da fachada do escritório e agrediram duas pessoas que tentaram impedi-los. Ele assegurou que o Fatah não tem nada a ver com o ataque. "São grupos vinculados e pagos pelo exterior que estão cometendo tais atos para desestabilizar a situação nos campos e criar problemas", disse. "Não somos um grupo armado e evitamos os incidentes", disse Shihabi, acrescentando que desde sábado à noite há reuniões para "encontrar uma solução e punir os culpados". Após o ataque, refugiados saíram às ruas do campo para pedir a união dos palestinos e o fim da luta entre Hamas e Fatah na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. O acampamento de Badawi tem acolhido refugiados do campo vizinho de Nahr el-Bared, onde o Exército libanês e o grupo extremista sunita Fatah al-Islam travam combates desde 20 de maio. Na sexta-feira, aconteceu outro incidente no campo de refugiados de Ein el-Hilweh, o maior do Líbano, perto de Sidon, no sul. Homens armados lançaram uma granada contra o dirigente do Hamas Ahmed el-Fadel, sem atingi-lo. Existe um grande temor no Líbano de que os problemas da Faixa de Gaza e Cisjordânia cheguem aos campos de refugiados no país, onde vivem 400.000 palestinos em situação precária.

Mais conteúdo sobre:
Líbano Hamas Badawi

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.