"Escudos humanos" britânicos vão ao Iraque

Centenas de pacifistas partirão na próxima semana de Londres com destino a Bagdá para tentar evitar uma guerra anglo-americana contra o Iraque. Os "escudos humanos" esperam que uma forte presença de manifestantes ocidentais no Iraque impeça as autoridades de Washington e Londres de lançarem uma guerra "injusta e sangrenta" contra o país árabe, segundo disseram."Esperamos que nossa presença ajude a salvar orfanato, hospitais, escolas e previna a morte de milhares de inocentes", declarou hoje Uzma Bashir, uma das organizadoras do programa Escudos Humanos de Londres. "Vamos proteger a população iraquiana em caso de um ataque das forças aliadas. Não hesitaremos em dar nossas vidas por esta causa", acrescentou.Bashir confirmou que cerca de 100 ativistas viajarão a Amã, partindo de Londres, antes do final deste mês. O grupo informou que entregará ao primeiro-ministro britânico, Tony Blair, ferrenho defensor da guerra, uma lista com os nomes dos manifestantes que viajarão ao Iraque e suas posições específicas naquele país.Também hoje, um grupo de 30 pacifistas mexicanos informou que viajará ao Iraque para se unir aos "escudos humanos" em zonas residenciais e hospitais do país do Golfo Pérsico. "Vou defender a vida e a paz. Poderei, inclusive, entrar para o exército do Iraque", afirmou Aurelio Morales, um estudante de Filosofia de 22 anos que seguirá com o grupo para o Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.