"Escudos humanos" da África do Sul partem para o Iraque

Nadando contra a corrente, um grupo de 30 sul-africanos partiu hoje de Amã em direção ao Iraque com a intenção de servir de "escudos humanos" contra uma invasão liderada pelos Estados Unidos. "Estamos ansiosos para partir e queremos chegar (ao Iraque) antes do fechamento das fronteiras", afirmou o líder do grupo, Abu-Bakar Dawjee, momentos antes de pegar a estrada.Muitos "escudos humanos" deixaram o Iraque nas última semanas, em protesto contra a intenção do governo de Bagdá de enviá-los a áreas industriais, em vez de hospitais e creches.Nas últimas horas, oito mexicanos deixaram Bagdá, onde estavam como "escudos humanos", em direção a Amã, informou o site do jornal El Universal, na Internet. Segundo o líder do grupo, Alexi Forcada, "foi uma decisão difícil" abandonar o Iraque, onde permanecem "cerca de 150 escudos" de 32 países, entre eles argentinos e cubanos. O noticiário até 18/3/2003Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.