Carlo Allegri/Reuters
Carlo Allegri/Reuters

Esculturas de Bolsonaro e Trump derretem durante cúpula da biodiversidade da ONU

Protesto foi convocado por ONG para denunciar as políticas dos dois presidentes contra a defesa do meio ambiente

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2020 | 18h01

NOVA YORK - Esculturas de gelo dos presidentes dos Estados Unidos e do Brasil derreteram nesta quarta-feira, 30, em Nova York durante a cúpula da biodiversidade da Organização das Nações Unidas, em um protesto convocado pelo Greenpeace para denunciar suas políticas contra a defesa do meio ambiente. 

A ONG garante que tanto o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, quanto o americano, Donald Trump, têm "planos deliberados para destruir ativamente a natureza". 

"Líderes da extinção: destruindo um planeta em crise", dizia a grande faixa da ativista Kate Flynn, que estava ao lado das estátuas de Bolsonaro e de Trump, que derretiam rapidamente ao sol em um píer em frente ao prédio das Nações Unidas. 

"O Brasil e os Estados Unidos são dois dos países com maior biodiversidade do mundo, mas em tempos em que o gelo ártico está desaparecendo, estes dois países estão em chamas e há uma perda de biodiversidade sem precedentes que seus presidentes ignoram", disse Arlo Hemphill, ativista para os oceanos do Greenpeace EUA.

A ONG lamentou que os Estados Unidos não tenham um palestrante na cúpula da biodiversidade da ONU, que está sendo realizada virtualmente após a pandemia. 

“Trump e Bolsonaro são as faces da extinção, pois têm agendas radicais que estão destruindo a natureza, levando ao colapso da biodiversidade e agravando a emergência climática”, disse Hemphill. 

O Greenpeace observou que Trump, que abandonou o Acordo Climático de Paris, removeu as proteções da lei de espécies em preservação e minou a lei de proteção ambiental. 

Também lembrou que os Estados Unidos são um dos quatro únicos países-membros da ONU que não fazem parte da Convenção sobre Diversidade Biológica. 

A organização denunciou ainda o aumento do desmatamento no Brasil desde a chegada ao poder de Bolsonaro, defensor da mineração e agricultura em áreas protegidas e terras indígenas. E destacou que os incêndios que devastam a Amazônia e o Pantanal são os piores em uma década. 

O Greenpeace recordou que em seu recente discurso na Assembleia-Geral da ONU, Bolsonaro "negou que o Brasil estivesse em chamas e culpou as comunidades indígenas e tradicionais pelos incêndios"./AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.