Escutas revelam como age cartel mexicano

Conversas gravadas entre integrantes dos Caballeros Templarios mostram como grupo organiza marchas a seu favor e controla notícias

Renata Miranda, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2011 | 00h00

Gravações de conversas telefônicas entre traficantes no México revelaram recentemente algumas das táticas de propaganda utilizadas pelos cartéis na luta contra o governo do presidente Felipe Calderón. Áudios obtidos pelo jornal Milenio mostram a preocupação que os criminosos têm com a cobertura da mídia e a percepção popular sobre suas ações.

As conversas, feitas entre integrantes do recém-formado cartel dos Caballeros Templários (leia trechos nesta página), mostram como a sociedade mexicana é usada como arma pelos narcotraficantes. "Temos de mobilizar todo o mundo para uma grande marcha", diz um homem identificado como "Pantera", em referência a uma manifestação em Apatzingán contra a iniciativa do governo de reforçar a ofensiva contra o narcotráfico no Estado de Michoacán. "Quero todo o comércio fechado e quero todos marchando."

O especialista em segurança Erubiel Tirado, da Universidade Iberoamericana, acredita que a estratégia de convocar protestos tem como objetivo deslegitimar a ação de autoridades e expulsá-las das áreas em questão. "No entanto, ainda é muito difícil identificar quais manifestações são legítimas e quais são orquestradas pelos cartéis", afirmou Tirado ao Estado.

Outra gravação mostra a importância dada pelos Caballeros Templarios à cobertura feita pela imprensa da luta entre cartéis e ainda dá indícios de uma ligação entre traficantes e alguns veículos de comunicação. De acordo com especialistas, as conversas indicam que o grupo vê a opinião pública como uma fonte vital de poder.

"A imprensa é uma arma poderosa para a guerra contra o narcotráfico", disse o especialista em segurança Mario González-Román, do Security Corner Mexico. O líder dos Caballeros Templarios, Servando Gómez Martínez, conhecido como "La Tuta", é famoso por justificar suas ações ao público utilizando a imprensa - em 2009, ele atraiu atenção nacional ao ligar para um programa de TV ao vivo e oferecer um acordo com Calderón.

GRAMPOS

Transcrição da conversa entre traficantes obtida pelo jornal mexicano Milenio

Homem nº 1: Você pode me levar até lá com os rapazes para conversar...

Homem nº 2: Deixe eu checar o que eles vão fazer na parte da tarde.

Homem nº 1: As pessoas de fora ou as nossas pessoas?

Homem nº 2: Não, amigo, os de fora...

Homem nº 1: Ah, são três.

Homem nº 2: Quem são?

Homem nº 1: Um do (jornal) El Universal, Telemundo e Univisión.

Homem nº 2: E o "cara" do (jornal) Milenio, ele vem também?

Homem nº 1: Sim, Tony está cuidando disso, o "cara" da Televisa e do Milenio.

Homem nº 2: Não, não. O "cara" do Milenio. Ele veio ou não?

Homem nº 1: Sim, ele veio.

Homem nº 2: Ah, bom, me diga onde eles estão que irei encontrá-los agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.