Escutas telefônicas atingiriam seis países da UE

As escutas encontradas no sistema telefônico central do edifício, onde se reúnem habitualmente os ministros e chefes de governo europeus, no centro de Bruxelas, estavam direcionadas a seis países. Segundo fontes diplomáticas, além de França e Alemanha, havia microfones nas salas das delegações do Reino Unido, Itália, Espanha e Áustria. A espionagem foi confirmada hoje pela manhã pelo porta-voz do Conselho da UE, Dominique Marro.As escutas foram detectadas pelo serviço de informação do Conselho no dia 28 de fevereiro, e poderiam estar lá há algum tempo, segundo afirmam as fontes diplomáticas. Para elas, a espionagem pode ser muito mais ampla do que se imagina, porque também teriam sido encontrados microfones na grande sala de reunião dos líderes europeus.Os rumores são muitos e desencontrados. A informação das escutas não está clara. Primeiro, o serviço de informação afirmou que as checagens são muito frequentes, e depois admitiu que os microfones poderiam estar no local há algum tempo. Para completar, o ministro grego das relações exteriores, George Papandreou, admitiu pela manhã que foi informado somente hoje sobre a existência dos microfones, apesar de ter confirmado a notícia, além do processo de investigação para apurar responsabilidades.A informação das escutas tornou-se pública hoje, partindo de uma pequena nota, sem assinatura, localizada na última página de um dos jornais franceses mais conservadores, o Le Figaro. Segundo o jornal, suas fontes indicariam que o responsável pela espionagem seriam os Estados Unidos.Os boatos tomaram conta hoje dos bastidores das instituições européias. Primeiro, o presidente da Comissão, Romano Prodi, cancelou a coletiva que antecede a Cúpula de líderes europeus. A Cúpula está confirmada para amanhã e depois, em Bruxelas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.