Divulgação
Divulgação

Eslováquia pedirá extradição de nazista mais procurado à justiça húngara

László Csatáry atualmente cumpre prisão em regime domiciliar em Budapeste

Efe,

30 de julho de 2012 | 10h54

PRAGA - A Eslováquia anunciou nesta segunda-feira, 30, que pedirá a extradição do ex-militar nazista László Csatáry. Ele atualmente cumpre prisão em regime domiciliar em Budapeste.

Veja também:

linkNazista mais procurado do mundo é encontrado na Hungria, diz grupo israelense

linkNazista mais procurado do mundo é preso

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

"Tenho interesse pessoal que, após analisar todas as circunstâncias, o juiz eslovaco exija que László Csatáry seja entregue à Eslováquia", afirmou hoje o ministro da Justiça Eslováquia, Tomás Borec. Segundo o ministro, seu departamento entregou a um Tribunal de Kosice no último 27 de julho a sentença de morte contra Csatáry, que foi emitida em 1948 e encontrada recentemente nos arquivos do Escritório da Memória Histórica.

Como já havia adiantado o governo do país centro-europeu, Borec confirmou que a Eslováquia quer que o réu "cumpra sua sentença de prisão". No entanto, o ministro também afirmou que seu Ministério não "pode interferir nas gestões do Tribunal de Kosice, que é quem deve emitir a ordem de prisão através do sistema SIRENE".

O ministro da Justiça da Eslováquia reconheceu que o processo de extradição de Csatáry pode ser influenciado pelos crimes cometidos na Hungria, além da decisão final do magistrado de Kosice.

Por sua parte, a fiscal do Estado eslovaco, Monika Jankovska, assegurou que "o Tribunal decidirá a troca da pena (de morte) por uma prisão em vida".

Em junho de 1948, em um tribunal popular comunista, Csatáry foi julgado culpado como ocupante fascista e colaborador, o que fez com que o réu fosse condenado a morte e tivesse seus direitos de cidadania suspensos durante 15 anos, além do confisco de todos seus bens.

O processo judicial contra Csatáry "foi parte de um processo de retribuição", indicaram na última semana fontes do Escritório da Memória Histórica.

O processo de retribuição citado era a forma como "se fazia justiça no direito penal do pós-guerra pelos crimes dos regimes totalitários. Se tratava de um fenômeno europeu", acrescentou Monika.

Csatáry, de 96 anos e um dos supostos criminosos nazistas mais procurados do mundo, foi responsável pela deportação de até 15 mil judeus aos campos de extermínio. Recentemente, o suposto criminoso foi preso em seu domicílio de Budapeste, onde já estava há vários meses sob vigilância.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.