Jakub Gavlak/EFE/EPA
Jakub Gavlak/EFE/EPA

Eslováquia testa mais de 2,5 milhões de pessoas para covid-19 em um dia

Campanha de testagem em massa do governo tenta identificar os casos ativos da doença e evitar um novo lockdown no país

Reuters, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2020 | 19h09

PRAGA - Quase metade de toda a população da Eslováquia foi testada para o novo coronavírus no último sábado, 31 de outubro, no primeiro dos dois dias de uma campanha de testagem em massa, com a qual o governo espera reverter o crescimento vertiginoso nas infecções sem impor um novo e rigoroso lockdown.

A estratégia, a primeira do tipo em um país desse tamanho, está sendo observada por outros países que buscam um jeito de retardar a disseminação do vírus e evitar a sobrecarga dos sistemas de saúde.

O ministro da defesa, Jaroslav Nad, anunciou neste domingo, 1.º de novembro, que 2,58 milhões de eslovacos fizeram o teste no sábado e 25.850 deles, ou 1%, testaram positivo para o vírus e devem continuar em quarentena.

O país tem uma população de 5,5 milhões e pretende testar o máximo de habitantes possível, exceto crianças abaixo dos dez anos.

Mais de 40 mil médicos e equipes de suporte formadas por militares, policiais e voluntários trabalharam em 5 mil pontos para aplicar os testes que detectam a presença de antígenos nos organismos.

A testagem foi gratuita e voluntária, mas o governo irá impor um lockdown naqueles que não participarem proibindo, inclusive, o comparecimento ao trabalho.

O primeiro ministro Igor Matovic pediu desculpas por pressionar as pessoas a participarem da testagem, mas disse que era justificável. “A liberdade deve andar junto a nossa responsabilidade perante aqueles que são… mais frágeis, pacientes oncológicos, idosos e enfrentam outras doenças”, disse ele em uma coletiva de imprensa.

Crescimento

A Eslováquia registrou alguns milhares de casos na primavera e no verão após impor restrições rapidamente. Mas o número de infecções começou a aumentar nas últimas semanas, aumentando a preocupação de que o país pudesse seguir o cenário da vizinha República Tcheca, que agora tem a maior taxa de mortalidade em duas semanas da Europa.

Porém, a eficácia dessa estratégia do governo foi questionada por especialistas, que dizem que os testes de antígenos são menos precisos do que os testes PCR, analisados em laboratório, e que, por isso, podem indicar tanto resultados falso negativos quanto falso positivos.

O governo planeja fazer uma segunda rodada de testagem no próximo fim de semana para identificar casos que não foram detectados neste fim de semana ou de pessoas que se contaminaram durante a semana.

No domingo, a Eslováquia registrou 2.282 novos casos de covid detectados por testes do tipo PCR, chegando a 59.946 no total, sem contar aqueles que foram identificados na testagem em massa, além de ter 219 mortes no total. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.