Hannah Beier/REUTERS
Hannah Beier/REUTERS

Espanha aprova e Portugal recomenda vacinação de crianças de 5 a 11 anos

Países lutam contra aumento de casos nas últimas semanas; versão reduzida de imunizante da Pfizer será utilizada

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2021 | 19h17

MADRI - O governo espanhol autorizou nesta terça-feira, 7, a vacinação contra a covid-19 para crianças de 5 a 11 anos, enquanto as autoridades de saúde portuguesas recomendavam a adoção da mesma medida no país. Ambos os países enfrentam um aumento no número de casos de coronavírus nas últimas semanas, embora suas taxas de vacinação estejam entre as melhores do mundo.

A Comissão de Saúde Pública espanhola aprovou a vacinação das crianças desta faixa etária para reduzir a carga da doença neste grupo, assim como a transmissão da doença para seu entorno familiar, informou o Ministério da Saúde em um comunicado. 

O primeiro lote de vacinas pediátricas chegará à Espanha em 13 de dezembro, segundo o ministério, e será distribuído então entre as regiões, que são as encarregadas de sua administração. A vacinação começará a partir de 15 de dezembro, diz a nota.

Segundo as autoridades, na Espanha há 3,3 milhões de crianças dessas idades que poderão receber essas vacinas agora. "Neste momento, os menores de 12 anos representam a faixa etária com maior incidência acumulada de casos de covid-19", destaca o ministério.

A vacinação de crianças entre 5 e 11 anos, com uma versão reduzida da vacina da Pfizer, é possível na União Europeia desde que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) autorizou seu uso em 25 de novembro. 

Desde então, vários países também a incorporaram, como Itália e Grécia.

A Espanha é um dos países do mundo com a maior taxa de vacinação: segundo as autoridades, 89,4% da população alvo tem o esquema completo. Essa porcentagem alta não evitou, porém, um surto de casos nas últimas semanas, alinhado com outros países europeus.  

Em Portugal, a Direção-Geral de Saúde (DGS) recomendou a vacinação de crianças de 5 a 11 anos após uma comissão técnica avaliar riscos e benefícios da imunização em cerca de 640 mil menores potencialmente expostos à doença e emitir opinião favorável sobre a medida.

Embora os sintomas nos menores de 11 anos "sejam geralmente leves", alguns podem desenvolver "formas graves de covid-19" mesmo que não tenham comorbidades, explicou a DGS em comunicado.  

Portugal dará prioridade às crianças com doenças de risco, segundo as autoridades sanitárias, que anunciarão na sexta-feira o calendário desta campanha de vacinação. O país já imunizou 88,5% de sua população.

Embora tenha registrado um aumento de casos menos acentuado do que outros países europeus, Portugal quis reforçar as medidas sanitárias, ampliando o uso de máscaras e do passaporte de covid-19. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.