Espanha extraditará um dos pilotos acusados de comandar os 'voos da morte'

O Conselho de Ministros da Espanha, a pedido do Ministério da Justiça, aprovou ontem a extradição para a Argentina de Júlio Alberto Poch, acusado de ser um dos ex-pilotos dos "voos da morte", como eram chamados os voos nos quais os presos políticos da ditadura militar (1976-83) eram jogados vivos no Rio da Prata ou no mar. A Justiça espanhola considerou que Poch é suspeito de "detenções ilegítimas, torturas, lesões, desaparecimentos e mortes". Entidades de defesa dos direitos humanos em Buenos Aires celebraram a decisão. O chanceler argentino, Jorge Taiana, que acompanha a presidente Cristina Kirchner em uma visita a Washington, afirmou que a aprovação da extradição "consolida a ideia de que a impunidade não pode se respaldar em fronteiras ou nacionalidades". O piloto, de 57 anos, cuja extradição era solicitada desde 2008, foi detido em 2009 na cidade espanhola de Valência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.