Reuters
Reuters

Espanha inicia segunda campanha eleitoral em seis meses

Líderes do PP, PSOE, Unidos Podemos e do Ciudadanos têm 15 dias para mobilizar seu eleitorado e melhorar os resultados do último pleito

O Estado de S. Paulo

09 Junho 2016 | 13h05

MADRI - A campanha para as eleições de 26 de junho na Espanha começa à meia-noite desta sexta-feira, a segunda em seis meses, depois que os principais partidos não conseguiram entrar em um acordo para formar governo após o pleito de 20 de dezembro.

Durante 15 dias, os líderes do conservador Partido Popular (PP), do socialista Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), do esquerdista Unidos Podemos e do liberal Ciudadanos tratarão de mobilizar seu eleitorado para melhorar os resultados do último pleito, embora, segundo as pesquisas, nenhum teria maioria suficiente para governar.

Mariano Rajoy (PP), Pedro Sánchez (PSOE), Pablo Iglesias (Unidos Podemos) e Albert Rivera (Ciudadanos) repetem como líderes de lista.

A única novidade com relação a dezembro de 2015 é o acordo entre Podemos e Esquerda Unida, que têm como objetivo superar o PSOE e se transformar na alternativa de esquerda ao PP, o que na Espanha é conhecido como "sorpasso" (adiantamento).

A partir de sexta-feira, os partidos poderão pedir o voto oficialmente, embora já estejam em campanha política desde que fracassou a posse de Pedro Sánchez como presidente do Governo em março, quando só conseguiu o apoio dos Ciudadanos. Desde então, todos os partidos trataram de justificar sua atuação por não ter conseguido formar governo.

Como é tradicional, todos os líderes abrirão a campanha em Madri para depois percorrer a Espanha explicando suas propostas.

O único debate transmitido pela televisão será realizado no dia 13 de junho e dele participarão Rajoy, Sánchez, Iglesias e Rivera. No entanto, não haverá o tradicional frente a frente entre os líderes dos dois principais partidos pela primeira vez desde que na Espanha foi instituído este formato em 1993.

Após 15 dias de campanha, as eleições serão realizadas no dia 26 de junho.

Intenção de voto. A aliança esquerdista liderada pelo Podemos caminha para obter grandes avanços na eleição geral, de acordo com uma pesquisa de intenção de voto divulgada nesta quinta-feira, 9, que lançou novas dúvidas sobre a natureza do próximo governo do país.

A sondagem, com base em 17,6 mil entrevistas e considerada a mais confiável para prever resultados eleitorais, mostrou que os votos serão divididos entre os quatro partidos principais e os quatro menores, confirmando uma nova era de fragmentação política e de incerteza na Espanha depois de quatro décadas de um sistema estável de dois partidos.

O PP deve ficar com a maioria dos votos novamente, mas longe de uma maioria, o que o obrigaria a formar uma coalizão com o PSOE e com o Ciudadanos para se manter no poder. Uma coalizão esquerdista entre o Unidos Podemos e o PSOE tampouco garantiria uma maioria, embora isso se torne possível com a abstenção de partidos regionais. /EFE e Reuters

Mais conteúdo sobre:
Espanhaeleiçõescampanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.