Espanha nega extradição de franquistas para a Argentina

A promotoria espanhola se opôs à detenção de quatro ex-agentes da ditadura de Francisco Franco na Espanha solicitada pela Argentina por considerar que os delitos imputados já prescreveram e que os acusados estão amparados pela Lei de Anistia de 1977.

Agência Estado

24 Setembro 2013 | 13h25

Em um documento publicado hoje, a promotoria pediu ao juiz Pablo Ruz, do Tribunal Nacional, que abra um expediente para resolver definitivamente o caso nos próximos dias. A promotoria enumerou algumas razões para rejeitar a prisão e a posterior extradição, conforme pedido pela magistrada federal argentina María Servini de Cubría.

Segundo a promotoria, o auto argentino não tem um relato preciso dos fatos e circunstâncias relacionados ao tempo e ao lugar da execução dos delitos. Além disso, a promotoria citou a lei de 1977 e concluiu que não considera necessária a detenção preventiva "tendo em vista a antiguidade dos fatos" e sua prescrição.

Os quatro franquistas - um guarda civil e três ex-agentes da brigada político-social - foram acusados por vários casos de tortura. Um deles, Celso Galván Abascal, já faleceu, segundo informação da polícia. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
AEGENTINAFRANQUISTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.