Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Moncloa Palace/Pool via Reuters
Moncloa Palace/Pool via Reuters

Espanha passará à UE dados de quem não se vacinar

Governo espanhol diz que registros devem ser compartilhados com outros países, mas informações não serão tornadas públicas

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2020 | 22h19

O governo da Espanha fará um cadastro de pessoas que se recusarem a ser vacinadas contra covid-19 e o compartilhará com outros países da União Europeia. O ministro da Saúde, Salvador Illa, no entanto, em entrevista à TV La Sexta, garantiu que os dados não serão abertos ao público e insistiu que os espanhóis não serão obrigados a tomar a vacina. 

“Para os que optarem por não receber a vacina, o que será feito é um registro que será compartilhado com outros parceiros europeus”, disse o ministro. “A lista incluirá aquelas pessoas a quem (a vacina) foi oferecida e simplesmente rejeitada. O documento não será tornado público e tudo será feito com o maior respeito pela proteção de dados.”

A Comissão Europeia não informou ainda se o registro espanhol seria uma iniciativa de toda UE nem esclareceu o papel de Bruxelas no compartilhamento dessas informações. A Espanha já registrou cerca de 50 mil mortes e mais de 1,8 milhão de infectados desde o início da pandemia. 

A campanha de vacinação começou no domingo, com prioridade para moradores e funcionários de asilos. Durante o primeiro semestre de 2021, o governo espera imunizar entre 15 e 20 milhões de pessoas, de uma população de 47 milhões – 2,5 milhões antes de março. Autoridades sanitárias garantem que o país terá vacinado cerca de 70% de seus habitantes até junho. 

O maior obstáculo ainda é a desconfiança da população. De acordo com pesquisa feita no início de dezembro, 28% dos espanhóis são contrários à vacinação imediata, 40,5% querem receber a vacina agora e 16% pretendem se vacinar se o imunizante “oferecer garantias” e for “confiável”. 

Apesar de preocupante, o porcentual de aceitação aumentou significativamente em relação ao resultado da mesma pesquisa realizada em novembro, quando 47% dos entrevistados disseram que não quereriam se vacinar. “Todos nós entendemos que a maneira de derrotar o vírus é vacinar todos nós. Quanto mais, melhor”, disse Illa.

Nesta terça-feira, 29, a Espanha recebeu mais de 350 mil doses da vacina da Pfizer e da BioNTech. A remessa chegou um dia após um incidente logístico na fábrica da cidade de Puurs, na Bélgica, que impediu a entrega originalmente programada para a manhã de segunda-feira.

As vacinas chegaram em cinco voos e foram imediatamente distribuídas para vários pontos da Espanha. Com a colaboração do Exército, as doses foram enviadas para os dois arquipélagos (Canárias e Baleares) e aos enclaves africanos de Ceuta e Melilla. O programa de vacinação em massa na Europa começou no fim de semana, mas os governos europeus ainda buscam maneiras de garantir a imunização generalizada da população sem aumentar o descontentamento entre o público cansado da pandemia.

A França também anunciou que manterá um registro, mas apenas com a identidade das pessoas vacinadas e suas condições de saúde. Na Itália, os políticos estão preocupados com a resistência e discutem se as vacinas devem ser obrigatórias para funcionários públicos e profissionais de saúde. Pesquisas mostram que parte significativa da população tem medo de receber uma dose.

Como na maior parte da Europa, o discurso oficial da Itália é que a vacina é uma escolha pessoal. No entanto, se a adesão voluntária continuar baixa, o governo já disse que “adotará algumas medidas”, segundo declarou o vice-ministro da Saúde, Pierpaolo Sileri, em entrevista publicada nesta terça-feira pelo jornal La Stampa.

No início de 2021, a Áustria lançará um certificado eletrônico de vacinação no qual os pacientes e as autoridades podem manter os registros de imunização, segundo informou o ministro da Saúde, Rudolf Anschober. O governo austríaco pretende combater o ceticismo com uma campanha de informação. “Não vamos convencer os mais radicais, que não querem ser vacinados de jeito nenhum, mas muitos indecisos podem mudar a opinião”, disse Anschober.

Na Alemanha, as autoridades estão preocupadas com a tensão social e se manifestaram contra um tratamento preferencial para os vacinados. Embora a discriminação seja proibida no setor público, existe uma área cinzenta no setor privado. “Haverá áreas nas quais o certificado de vacinação ou os resultados dos testes serão um pré-requisito”, disse o prefeito de Berlim, Michael Mueller. “Quanto mais pessoas imunizadas, maior alívio para todos.”

Apenas quatro em cada dez franceses querem se vacinar contra a covid-19, de acordo com uma pesquisa da Ipsos Global Advisor em parceria com o Fórum Econômico Mundial, divulgada nesta terça-feira. A baixa adesão da população aumentou a preocupação do governo da França com o início lento da campanha de imunização, que começou no domingo. 

Os resultados da pesquisa colocam a França atrás de outros países céticos, como Rússia (43%) e África do Sul (53%). Entre os que mais desejam a vacina estão os chineses (80%) e os britânicos (77%).  / WP, EFE e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.