Albert Gea/REUTERS
Albert Gea/REUTERS

Espanha prende 10 pessoas acusadas de envolvimento com terrorismo

De acordo com a polícia da Catalunha, grupo estaria envolvido em delitos relacionados com o jihadismo e práticas do Estado Islâmico

O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2015 | 10h16

MADRI - Dez pessoas foram presas durante uma operação contra o terrorismo na região da Catalunha, no nordeste da Espanha, informou a polícia regional nesta quarta-feira, 8. Foram realizadas 13 operações em várias localidades próximas à região metropolitana de Barcelona, capital da Catalunha, e na província de Tarragona. Os presos são acusados, entre outros crimes, de pertencerem a uma organização terrorista.

De acordo com a polícia espanhola, o grupo estaria envolvido em vários delitos relacionados com o jihadismo e práticas da organização Estado Islâmico (EI). 

Fontes ligadas às investigações informaram à EFE que a operação está relacionada com outra realizada em dezembro de 2014, quando três jovens residentes na Catalunha, dois de origem marroquina e o brasileiro Brian de Mulder, convertido ao Islã, foram presos na Bulgária quando tentavam entrar na Turquia para se incorporar ao grupo extremista na Síria.

O ministro do Interior da Espanha, Jorge Fernández Dias, afirmou que, das 1.264 mesquitas de todo o país, apenas 98 aderem à linha mais radical do Islã e 50 delas estão na Catalunha. Dias reconheceu que esses locais são motivo de especial atenção policial para impedir que sejam um foco de radicalização e se transformem pontos de recrutamento de fundamentalistas na região.

Mais de 30 pessoas já foram detidas na Espanha neste ano por suas supostas relações com o jihadismo em ações feitas pela polícia.

No dia 13 de março, oito integrantes de uma célula terrorista foram presos no nordeste e no centro do país. Todos eles eram de nacionalidade espanhola, apesar de cinco terem origem marroquina.

As quatro primeiras prisões ocorreram na cidade de Ceuta, na fronteira com o Marrocos, no dia 24 de janeiro. De acordo com as autoridades, o grupo planejava cometer um atentado suicida. 

Um mês depois, a Guarda Civil prendeu outras quatro pessoas, duas em Melilla, também na fronteira com o Marrocos, e outras duas na Catalunha, desarticulando uma rede de recrutamento do EI.

O mesmo órgão de segurança impediu no dia 7 de março que um marroquino embarcasse no aeroporto de Barcelona com destino à Síria, junto a seu filho de três anos, para se unir ao EI.

Três dias depois, a polícia espanhola deteve duas pessoas e neutralizou em Ceuta uma célula jihadista que estava preparada para promover ataques no país.

Um casal de marroquinos e seus dois filhos gêmeos, de 16 anos, foram presos no dia 31 de março em Badalona, perto de Barcelona, acusados de fazerem parte de uma rede de envio de jihadistas à Síria, na última operação desse tipo antes da prisão desta quarta-feira. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhajihadismoEstado Islãmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.