Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
REUTERS/Miguel Vidal
REUTERS/Miguel Vidal

Espanha prende 2 suspeitos de integrar o Estado Islâmico

Segundo o Ministério do Interior, os marroquinos recrutavam adeptos pela internet e se ofereceram como 'mártires' ao grupo terrorista

O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2016 | 12h34

MADRI - A polícia da Espanha prendeu dois marroquinos acusados de serem membros do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), dispostos a promover ataques no país e muito ativos na internet, onde tentavam recrutar novos integrantes.

As prisões ocorreram durante a madrugada deste sábado em Madri e em Roda de Ter, uma cidade próxima a Barcelona, de acordo com informações do Ministério do Interior da Espanha.

Segundo a investigação, que segue em andamento, os dois marroquinos estavam plenamente integrados à rede do EI e seguiam pontualmente as instruções do grupo.

Ambos usavam a internet e as redes sociais para radicalizar e recrutar novos adeptos para a causa do EI, disseram fontes à agência EFE. Além disso, divulgavam conteúdos radicais e propagandísticos, que incluíam imagens de "extrema crueldade, atos violentos e com objetivo de propagar terror nas sociedades ocidentais".

"As características de ambos os detidos eram o individualismo e a descentralização, tanto que os dois sozinhos formavam células terroristas independentes, mas coordenadas e conscientes de seus alvos. As células eram potencialmente perigosas, controladas pelo Daesh (acrônimo de EI em árabe) e em estado pré-ativação para possível realização de atentados terroristas na Espanha", disse o Ministério do Interior em comunicado.

Os dois presos já tinham tornado público seus juramentos de lealdade à organização terrorista e estavam em "total estado de isolamento", limitando contatos com o mundo exterior e explorando o âmbito virtual através de perfis jihadistas radicais.

Segundo o Ministério do Interior, o nível de radicalização dos dois marroquinos tinha chegado ao nível de eles terem se oferecido ao EI como "mártires" para atuar a qualquer momento.

Desde 2015, quando a Espanha elevou o nível de alerta antiterrorismo, foram presos 163 suspeitos de envolvimento com grupos jihadistas. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaEstado IslâmicoBarcelona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.