Reuters
Reuters

Espanha prende homem que vendia roupas com símbolos do Estado Islâmico

Dentre os itens a venda estavam moletons, bolsas e macacões infantis; uma das peças estampava um refém prestes a ser decapitado

O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 14h32

MADRI - A polícia da Espanha prendeu um homem por vender camisetas mostrando um ativista humanitário prestes a ser executado por militantes do Estado Islâmico, além de uma série de peças de roupa com slogans do grupo radical, informou o governo nesta quarta-feira, 12.

O homem, um cidadão espanhol cujo nome não foi divulgado, foi detido durante uma operação policial na noite de terça-feira em Narón, cidade no noroeste da Espanha.

Em sua loja e pela internet, ele vendia roupas que divulgavam o Estado Islâmico e outra facção militante islâmica, a Harakat Sham al Islam, declarou o Ministério do Interior.

Entre as peças, estavam camisetas com uma imagem estampada do refém britânico Alan Henning prestes a ser decapitado pelas mãos do Estado Islâmico (fato que ocorreu no ano passado), ao lado de seu carrasco e da bandeira do grupo.

Imagens divulgadas pelo governo espanhol mostraram uma variedade de itens que estavam à venda, como moletons, bolsas e macacões infantis com slogans em árabe do Estado Islâmico ou do Harakat Sham al Islam.

O vendedor está sendo acusado de usar as redes sociais para disseminar propaganda islâmica e “desdenhar e humilhar vítimas do terrorismo jihadista”, afirmou o ministério em um comunicado.

Segundo a pasta, só neste ano 47 pessoas acusadas de laços com a militância islamita foram presas na Espanha. /REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaEstado Islâmicoprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.