Espanha prende três supostos membros de facção armada da ETA

Polícia apreede 100 quilos de material para fabricar explosivos; na terça, sete foram detidos

Associated Press

29 de setembro de 2010 | 14h58

MADRI - A Guarda Civil da Espanha deteve nesta quarta-feira, 29, três supostos membros do grupo separatista basco ETA que escondiam 100 quilos de material para fabricar explosivos em uma garagem no País Basco. Eles tentavam recompor um comando da organização, que declarou trégua unilateral no último dia 5.

 

A polícia suspeitava que o grupo dispunha de explosivos e decidiu acelerar a detenção. Os agentes encontraram uma garagem em Villabona onde os separatistas escondiam um veículo roubado e 100 quilos de componentes para a fabricação de bombas, segundo o governo.

 

Entre os detidos está Javier Atristain Gorosabel, de 40 anos, um dos membros da ETA mais procurados pelas forças de segurança.

 

A operação ocorre um dia depois da detenção de sete pessoas relacionadas ao movimento Askapena, órgão encarregado de difundir e angariar apoio para a ETA no exterior, principalmente na América Latina.

 

O ministro do Interior, Alfredo Pérez Rubalcaba, lembrou na terça que a única saída que resta à ETA é a dissolução permanente do grupo. Ele ainda assegurou que a trégua anunciada pelo grupo separatista não modificará a política de ações judiciais e policiais do governo.

 

A ETA, considerada uma organização terrorista pelos EUA e pela União Europeia, assassinou mais de 825 pessoas desde o fim da década de 1960, quando iniciou a campanha pela libertação do País Basco ante a Espanha.

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaETAseparatistasPaís Basco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.