Espanha quer fim do ETA na onda contra terrorismo

O governo espanhol quer aproveitar a lutainternacional contra o terrorismo para lançar uma das mais durasofensivas para acabar com o grupo separatista basco ETA. De fato, poucas vezes na história a Espanha contou com umasituaçao tão favorável para combater a ETA como a atual. Desdeos atentados terroristas de 11 de setembro, mais de 130 pessoasjá foram presas na Espanha acusadas de fazer parte da ETA ealgumas redes de comunicaçao do grupo foram destruídas. A campanha, porém, deve ser intensificada em 2002. Além dasiniciativas internacionais que surgiram depois de 11 de setembro, Madri assumirá a presidência da Uniao Européia (UE) a partir dodia 1º de janeiro, o que permitirá estabelecer a agenda para aUE nos próximos seis meses.Em um documento em que explicam seu programa de governo para ocontinente europeu, os espanhóis põem o combate ao terrorismocomo prioridade. "É necessário que a UE dê uma resposta àsameaças (terroristas), tal como a Espanha vinha sugerindo háalgum tempo", afirma o governo espanhol.Propostas - Madri apresentará propostas para que a UE adote leis quepossam intensificar a busca aos terroristas, além de estabeleceruma colaboraçao permanente entre polícias e investigadores dos15 países membros da UE. Outra iniciativa espanhola é atacar as fontes de financiamentodos grupos terroristas. Mas grupos de defesa dos direitoshumanos temem que as novas leis aprovadas e a campanha contra aETA acabem violando direitos básicos de liberdade, em nome docombate ao terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.