AP Photo/Paul White
AP Photo/Paul White

Espanha recorrerá contra candidatura de Puigdemont ao governo da Catalunha

Primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, pediu relatório ao Conselho de Estado com o objetivo de impugnar a decisão do presidente do parlamento catalão, Roger Torrent, de indicar o líder separatista ao Executivo regional

O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2018 | 14h38

MADRI - O governo da Espanha anunciou nesta quinta-feira, 25, que recorrerá no Tribunal Constitucional contra a candidatura do independentista Carles Puigdemont ao governo da Catalunha, alegando que pesa sobre ele uma ordem de prisão por seu papel na frustrada secessão catalã.

Espanha promete impedir retorno de líder catalão do exílio

O presidente do parlamento da Catalunha, Roger Torrent, propôs no dia 22 que Puigdemont seja o candidato, após as eleições regionais de 21 de dezembro do ano passado, ainda que a câmara não tenha definido a maneira como ele tomaria posse do cargo.

O chefe do Executivo espanhol, Mariano Rajoy, pediu nesta quinta um relatório ao Conselho de Estado (máximo órgão consultivo) com o objetivo de impugnar a decisão de Torrent de indicar Puigdemont.

A Junts per Catalunya, coalizão liderada por Puigdemont, chegou a propor que seja eleito pelo parlamento catalão à distância, ou seja, por teleconferência.

Puigdemont se reúne em Bruxelas com presidente do Parlamento catalão

O Executivo espanhol destituiu Puigdemont como presidente da Catalunha, junto com todo seu governo, no dia 27 de outubro por promover um processo independentista nessa região espanhola. 

Agora, ele e todos os membros do seu gabinete são investigados por rebelião e outros delitos. Quatro deles permanecem também foragidos na Bélgica, dois cumprem prisão preventiva na Espanha e os demais estão em liberdade condicional.

Puigdemont solicitou garantias para poder retornar à sessão de posse, que deve acontecer até 31 de janeiro. O líder catalão, no entanto, pode ser detido se retornar a Espanha. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.